• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 13 de agosto de 2015

    (Cardiologia) Boa informação que leva à mudança de atitude

    A cada ano, cerca de 140 mil pessoas morrem de doenças cardiovasculares no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. As doenças cardiovasculares representam a principal causa de mortalidade e de comprometimento da qualidade de vida das pessoas ao redor do mundo, em especial no Brasil. Esses números tendem a crescer, nas próximas décadas, visto que a expectativa de vida vem aumentando e, assim, incidem sobre a população os fatores de risco por um tempo maior.

    Dados do Ministério da Saúde indicam que 52,5% da população estão com sobrepeso e 18% dessas pessoas estão na faixa da obesidade (fator que é um dos vilões da saúde do coração). Somado a isso, temos o envelhecimento da população, que, sabidamente, é a fase da vida em que os males cardíacos passam a preponderar. Atualmente, 8% dos brasileiros têm mais de 65 anos de idade. Em 2030, serão 13%, segundo projeções do IBGE. Além disso, a alta prevalência de diabetes, hipertensão e dislipidemia, somada ao tabagismo e ao estresse da vida moderna, contribui para o aumento significante da incidência e gravidade da doença cardiovascular.

    Nos últimos 50 anos, a medicina empreendeu imenso esforço para reverter a velocidade da progressão dos problemas do coração. Medicamentos, diagnósticos e tratamentos cada vez mais avançados não conseguiram, contudo, desacelerar o crescimento no número de mortes pela doença e de pessoas que vivem debilitadas em função das complicações de sua evolução.

    Por que, então, apesar de todos os esforços, ainda não conseguimos diminuir a incidência das doenças do coração na população mundial e o número de pessoas que morrem em decorrência dela? A resposta à questão, certamente, é complexa, mas ouso afirmar que necessariamente passa pela informação. Podemos ter o maior e melhor arsenal de tecnologias em diagnóstico e tratamento, os profissionais médicos e de saúde mais preparados e dedicados, os hospitais bem equipados, mas se não tivermos o paciente consciente e participante do tratamento, tudo isso terá pouco efeito na manutenção de sua saúde e bem-estar.

    Inúmeros estudos mundo afora apontam a existência de uma relação direta entre o nível de aderência ao tratamento e a percepção do risco que o paciente tem da doença que o acomete, ou poderá acometer, e sua evolução. Em outras palavras, quanto maior for a percepção do paciente com relação a esse risco, maior será seu empoderamento frente ao destino que a doença, ou a sua ausência, terá no curso de sua vida. O ato cognitivo da percepção, por sua vez, tem como força motriz a informação contextualizada pela experiência.

    Assim, é muito bem-vindo para a classe médica sistemas de informação que levem a experiência transformadora na percepção comum que temos sobre o mundo e, particularmente, sobre o risco das doenças e a importância de se preservar uma boa qualidade de vida. É nesse sentido que eu quero congratular os editores do portal Coração & Vida (www.coracaoevida.com.br). Ao longo do primeiro ano de existência, o site provou a qualidade do serviço público de informação que ela presta à população brasileira. Tanto é assim que dessa força resultou o novo projeto do portal que, a meu ver, alia novidades nas seções de notícias e abordagens diferenciadas dos assuntos a um time de primeira linha de especialistas médicos e da área da saúde.

    Tudo isso num ambiente em que várias mídias convergem para criar espaço não apenas noticioso, mas de diálogo e interatividade com o leitor.Não tenho dúvida de que a nova proposta resultará numa informação ainda mais qualificada para levar o leitor a experiência inovadora, que o ajudará a se tornar o protagonista de sua saúde e bem-estar e os da sua família. Esse é o sonho que nós, médicos e profissionais da saúde, mais almejamos que se torne realidade. Trabalharemos juntos com a equipe do Coração & Vida para que isso aconteça.


    Por: Roberto Kalil Filho  Cardiologista, é professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e diretor clínico do Instituto do Coração (InCor) 2 da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp) – Fonte: Correio Braziliense – Foto Google

    Um comentário:

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.