• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 23 de agosto de 2015

    Convergência de interesses entre Brasília e Berlim

    Bom negócio é aquele no qual todas as partes ganham. Observada no mundo das relações comerciais, a máxima também se aplica ao universo da diplomacia. Serve de exemplo a visita relâmpago de Angela Merkel ao Brasil. A chanceler alemã e a presidente brasileira atravessam momentos de dificuldades internas. Nada melhor do que desviar o foco do problema para mudar de assunto e, consequentemente, aliviar as tensões.

    Dilma enfrenta três crises simultâneas — a econômica, a política e a ética. Sem conseguir manter a coesão da base ou tomar medidas convincentes capazes de acabar com o pessimismo e a desconfiança que lhe caracterizam o governo, a presidente encolhe ante a queda ímpar da popularidade e as manifestações de rua que exigem a renúncia ou o impeachment da ocupante do Planalto.

    Por seu lado, Merkel se confronta com divisão inédita no próprio partido, a União Democrata Cristã (CDU). O pomo da discórdia: a concessão de nova ajuda financeira à Grécia. O tema provocou desgaste da líder alemã no bloco europeu. Berlim, que protagonizou duas guerras mundiais, que arrasaram o Velho Continente, podia, mais uma vez, desunir a Europa com a adoção de linha-dura contra Atenas. Não só. A imigração, que desafia parte significativa dos membros da União Europeia (UE), também gera insatisfação.

    Para estada de menos de 24 horas, Angela Merkel trouxe na comitiva 12 ministros e vice-ministros (quase 60% do gabinete alemão). No topo da agenda, o combate às mudanças climáticas, tema da conferência da ONU marcada para dezembro próximo, na capital francesa. Ambos os países têm interesse no êxito do evento. O Brasil, que já protagonizou os debates sobre o assunto, precisa retomar a vanguarda assumida na Rio 92.

    A Alemanha tem exemplos a exibir. Entre eles, medidas que contribuem para a redução dos fatores que levam ao aquecimento global. É o caso da substituição de combustíveis fósseis por energia limpa e renovável — eólica, solar e de biomassa. O Brasil, apesar da abundância de recursos de que dispõe, ainda engatinha no processo que, além de imperativo, contribui para o desenvolvimento tecnológico nacional.

    Mais: quarta economia do mundo, a Alemanha importa commodities do Brasil, sobretudo minério de ferro e grãos crus de café. O Brasil, por seu lado, importa produtos com alto valor agregado. Daí a importância de acordos na área de inovação tecnológica voltados para a indústria. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) tem feito esforços para a abertura do mercado europeu às mercadorias brasileiras. Mas tem esbarrado na qualidade, fruto das nossas deficiências na competitividade global.

    O acordo comercial Mercosul-União Europeia, citado pelas duas líderes, deve continuar em ponto morto. Iniciadas há 20 anos, as negociações não avançam porque tocam em item altamente sensível: as concessões agrícolas. O mais acertado, sem dúvida, é investir na colaboração bilateral. O Brasil tem muito a lucrar com a disciplina e a tecnologia germânica.



    Fonte: “Visão” do Correio Braziliense 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.