• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 29 de agosto de 2015

    #TERRASPÚBLICAS » 80% de aprovação e 40 mil m² de área liberada em cinco dias

    Dois píeres e duas garagens para barcos estavam em área pública e ainda não se sabe como serão aproveitados. Segundo a Agefis, 1.549m de cercas e 150m de grades foram derrubados. O entulho recolhido pelos funcionários encheu 61 caminhões...

    Ações do governo fiscalizaram 20 residências na orla do Lago Paranoá em uma semana. De acordo com pesquisa, quase 80% da população aprovou a desocupação, mas moradores apontam medo com a falta de segurança e a utilização do espaço

    A  primeira semana de operações do GDF na orla do Lago Paranoá termina com a desobstrução de uma área de 39,2 mil m², que antes estavam sob domínio particular. O espaço, equivalente a cinco campos de futebol, estava distribuído por 20 residências, localizadas nas QL 10 e 12 do Lago Sul, próximas ao Parque Ecológico Península Sul. Os trabalhos, que começaram na segunda-feira, envolveram a remarcação dos terrenos que invadiam área pública e derrubada de grades e cercas-vivas que impediam a circulação de pessoas pela margem do lago. O governo agora enfrenta a questão da segurança na área e da possível ocupação indiscriminada para lazer — uma vez que a decisão judicial das derrubadas tem fundamento de preservação ambiental. Até o momento, segundo pesquisa, o Buriti conta com a simpatia da população em relação às ações tomadas.

    Bruna Pinheiro, diretora da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), avalia que o saldo positivo vai além dos terrenos retomados. “A operação mostra à população do DF que nenhuma área pública pode ser invadida. Não há local em que não façamos nosso trabalho e visamos sempre o bem de todos”, afirmou. Além das cercas, a operação averiguou irregularidades no local. Duas bombas d’água ativas e três desativadas foram encontradas em terrenos da orla. Os aparatos serviam para a retirada ilegal de água do lago a fim de irrigar jardins. Os donos das residências em que os sistemas funcionavam foram notificados e podem ser multados por crime ambiental. O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) também lacrou os equipamentos para que não sejam mais utilizados.

    Destinação
    Vários moradores que invadiram área pública construíram benfeitorias. No total, duas quadras poliesportivas, uma de areia, três de tênis, uma piscina, dois píeres e duas garagens de barcos foram realocados para domínio público. Os fiscais do Ibram esclareceram que as obras ainda não são para uso da população. É preciso que o instituto faça um estudo mais aprofundado para saber a destinação dos espaços.

    Nas redes sociais, brasilienses se mobilizaram para ocupar o novo espaço público no fim de semana. Mas, por enquanto, as pessoas não estão autorizadas a usufruir da orla da QL 12 do Lago Sul. A Secretaria de Segurança fez reunião para detalhar o monitoramento da região e, até a conclusão dos trabalhos do Ibram, ninguém poderá circular pela área de preservação permanente.

    Com a derrubada de grades e cercas-vivas, muitos moradores da região alegaram estar inseguros. “O Ibram tomou as correntes e os cadeados e afirmou que passaria a cuidar do parque. Mas o local ficou aberto a madrugada inteira”, reclamou Marcos Coelho, presidente da Associação dos Moradores da QL 12 e que teve a residência fiscalizada durante as operações. “O que mais nos preocupa é a segurança”, completa. Para evitar crimes, o patrulhamento nas proximidades do Parque Ecológico Península Sul foi reforçado. “Houve um pedido do Batalhão para que as rondas fossem mais frequentes”, relatou o sargento Domingos Francisco, que, momentos antes de falar com a reportagem, havia abordado sete jovens por atitudes suspeitas no parque.

    Além das 20 residências com áreas retomadas pelo poder público, 11 tiveram a fiscalização adiada para próximas fases da operação. São os casos de moradias oficiais de embaixadores, da Câmara dos Deputados, do Senado e das Forças Armadas. Como essas casas são de posse da União, a negociação das derrubadas ocorre na esfera federal. “Por questões legais e mesmo diplomáticas, esses terrenos não tiveram interferência neste primeiro momento. Mas vale lembrar que a operação durará dois anos”, reiterou Bruna Pinheiro.

    Pesquisa
    A decisão do governo de desobstruir a orla do Lago Paranoá, com derrubadas em terrenos à beira do espelho d’água, recebeu o apoio de 79,6% dos moradores do DF. Os dados fazem parte de uma pesquisa realizada pelo Instituto O&P Brasil. Foram ouvidas 1 mil pessoas de 31 regiões do DF, em 26 e 27 de agosto. A margem de erro é de 3,1%.

    A maior aprovação vem de pessoas na faixa etária de 40 a 59 anos. Entre esses cidadãos, 86,6% declararam ser favoráveis à decisão do GDF de remover construções em área de preservação permanente do lago. Na comparação entre homens e mulheres, o maior percentual de aprovação ficou entre pessoas do sexo masculino: 81,8% dos consultados mostraram apoio às derrubadas, contra 77,6% das mulheres.

    Na comparação entre as regiões, o apoio mais forte vem da área mais nobre. Entre os moradores das asas Sul e Norte, lagos Sul e Norte, Guará, Sudoeste, Octogonal e Cruzeiro, 83,4% disseram aos entrevistadores que apoiam a desobstrução da orla do Paranoá. A pesquisa também avaliou a surpresa dos entrevistados com relação à decisão do governo de desobstruir todas as áreas de preservação permanente do Paranoá. Entre os ouvidos pelo instituto, 73,7% disseram que não esperavam que o governo determinasse o início da operação e foram surpreendidos pela medida.

    O levantamento verificou quais os equipamentos públicos que mais despertam o interesse de futuros usuários da região do espelho d’água. Ao todo, 52% afirmaram ter interesse em ciclovias e 42,5% querem pistas de caminhada na orla do Paranoá. Entre os entrevistados, 40,1% defendem que o governo invista em banheiros públicos. Também houve interesse na construção de quiosques para lanches, campos de areia, aluguel de pedalinhos, churrasqueiras e píeres públicos.

    "A operação mostra à população do DF que nenhuma área pública pode ser invadida. Não há local em que não façamos nosso trabalho e visamos sempre o bem de todos”
    (Bruna Pinheiro, diretora da Agefis)

    "O Ibram tomou as correntes e os cadeados e afirmou que passaria a cuidar do parque. Mas o local ficou aberto a madrugada inteira. O que mais nos preocupa é a segurança”
    (Marcos Coelho, presidente da Associação dos Moradores da QL)



    Fonte: Helena Mader – João Gabriel Amador (Enviado Especial) Correio Braziliense – Foto: Carlos Vieira/CB/D.A/Press 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.