• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 29 de setembro de 2015

    Brasil segue pelos mesmos atalhos de sempre


    Dentro do modelo de  presidencialismo de coalizão a  governabilidade só é estabelecida quando o capital eleitoral do presidente, traduzido pelo volume de votos, é convertido em capital político, ou seja, em apoios dentro do Legislativo. Trocando em miúdos, o presidente só governa se tiver apoio de uma base aliada.

    De um lado forma-se o fisiologismo, com a troca de favores entre ambas as partes, dentro do princípio “é dando que se recebe”. De outro lado, favorece e incrementa a prática, tornada corriqueira, da compra de apoios, pura e simples. Em determinadas situações,  como na atual, já não bastam  a simples participação da sigla na composição dos ministérios e estatais. É preciso mais. Sempre mais. O mensalão e escândalos congêneres que se seguiram, tiveram suas origens neste exato modelo.

    A crise, detonada pela mixagem de incúria e corrupção em larga escala, envolvendo esse e outros parceiros, implodiu essa relação pouco republicana, lançando o Executivo para um lado e Legislativo para outro oposto. Ambos, no entanto, para o fundo do poço. Mais ágil e articulado, os mais experientes buscam saídas para as crises.

    Ao governo, apanhado de calças curtas, com a mão na cumbuca, deixado à pé em pleno deserto, resta entregar o restante das joias da coroa para livrar o pescoço. Orbitando por fora ,esta a população alheia as tramoias dessa súcia, chamada apenas a custear a construção do próprio cadafalso .

    A frase que foi pronunciada:
    “Eu dirijo e o governo desvia.”
    (No para-choque de um caminhão na BR 005)


    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Google/Blog

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.