• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 10 de outubro de 2015

    A haddadização do Uber (São Paulo)

    Há muito perdi a paciência com gente que vive de impor dificuldades para vender facilidades. A indignação, agora, vem da tal regulamentação do Uber em São Paulo. Sim, o aplicativo criado na internet já deve ter transformado em bilionário quem o inventou. Mas isso não é crime, desde que atue dentro das regras do jogo, seguindo a lei e pagando os impostos devidos. O inegável é que, onde existe, mundo afora, presta serviço de boa qualidade ao cidadão e garante o digno sustento do trabalhador atrás do volante.

    Para alívio de quem odeia depender de burocratas, o Uber já nasceu dando um pé no traseiro do Estado paquidérmico, de despachantes e das máfias que se infiltram no sistema e vivem de arrendar “licenças” e “pontos”. E também liberta o trabalhador do paternalismo que faz a alegria de espertalhões políticos de direita, de esquerda, de centro. Basta, para aderir ao serviço, que o motorista tenha um bom carro. Ou compre um e o financie com o próprio suor das corridas, livre de permissões extorsivas ou de pedágios exorbitantes de Zinhos e Zinhas da vida. Sem o auxílio da mãe disso ou do pai daquilo.

    Ao impor o pagamento de licença de R$ 60 mil para que o Uber funcione em São Paulo, o prefeito Fernando Haddad elitiza o processo, exclui o trabalhador que não dispõe desse valor ou que se recusa a “doá-lo” à prefeitura. Além de quebrar a espinha dorsal de um serviço que é revolucionário justamente por nascer livre das amarras kafkianas do Estado. O “pedágio” de R$ 60 mil é quase o preço de outro carro que o motorista terá de desembolsar. E a troco de quê? Para reproduzir a anomalia do modelo de táxi?

    Na capital paulista, a ideia inicial do prefeito é sortear 5 mil licenças de R$ 60 mil. Na prática, ele limita a atuação do Uber e o nivela, por baixo, ao atual serviço. Ora, nada impede que burocratas imponham dificuldades ou que máfias infiltrem laranjas e obtenham percentual expressivo das permissões “sorteadas”, que depois virarão R$ 600 mil, R$ 1 milhão etc. Isso se o Uber — que já rechaçou a tal “regulamentação” — se curvar à haddadização. Ora, pensar no bem-estar da população, que é o dever do verdadeiro político, ninguém quer. É só olhar para a situação de escolas, hospitais, segurança, transporte público. Xô, sanguessugas!


    Por: Plácido Fernandes Vieira – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Um comentário:

    1. Eu já fui taxista em SP, e ainda mantenho meu cadastro em dia, se o MALDDAD, diz que o serviço de taxi está deficitário, uma pergunta que não quer calar: Porque então não libera o fornecimento de mais alvarás para quem quer trabalhar e já tem o CADASTRO EM DIA???, com certeza iria resolver a questão, até porque, com maior oferta, o serviço ira se regular por si próprio ou seja: Quem oferecer melhores serviços irá continuar e consequentemente fazer com que os outros acompanhem essa melhoria.

      ResponderExcluir

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.