• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 15 de outubro de 2015

    Advocacia do país: Dinheiro manchado

    Com a deflagração da Operação Lava-Jato e o consequente aprofundamento das investigações, políticos e empresários apanhados de calças curtas correram, em desespero, para os mais renomados e caros escritórios de advocacia do país. Nunca essas bancas faturaram tanto.

    Alguns desses caros profissionais chegam a cobrar milhões de reais apenas para dar início aos procedimentos nos processos de defesa. Aqui cabe um parêntese, não à guisa de moralismo vazio, mas apenas na intenção de resgatar exemplo histórico dado pelo mestre dos advogados, o saudoso Sobral Pinto, ao explicar em carta os motivos que o levaram a abrir mão da defesa de um cliente enrolado com a lei: “O primeiro e mais fundamental dever do advogado é ser o juiz inicial da causa que lhe levam para patrocinar... Incumbe-lhe, antes de tudo, examinar minuciosamente a hipótese para ver se ela é realmente defensável em face dos preceitos da Justiça. Só depois que eu me convenço de que a justiça está com a parte que me procura é que me ponho à sua disposição”.

    A rigor, esse trecho da famosa carta deveria ser transformado em lei, tamanho o vigor ético e a correta concisão de procedimento profissional. Ao que se assiste hoje, em face do alargamento dos casos de corrupção em todos os poderes da República, é o salve-se quem puder, sobretudo, salvem-se aqueles que mais podem.

    O ar de deboche e pretensa superioridade de alguns dos personagens envolvidos nesse escândalo confirma nosso perfil histórico recheado de casos de impunidade dos nossos fidalgos. Impunidade que encontra nos escritórios desses defensores da elite a porta de saída para os entreveros com a lei.

    Millôr Fernandes costumava dizer, com a verve que lhe era costumeira, que “o advogado é o sócio do crime”. Mais do que conhecer as veredas e os atalhos da lei, o bom advogado hoje parece ser aquele indivíduo que antes de tudo conhece os juízes.

    Num rio, qualquer contaminação das águas a montante polui toda a corredeira até a foz. No mesmo sentido, é preciso verificar, em sentido amplo, se os recursos usados por alguns desses “impolutos” clientes para garantir honorários fabulosos não foram obtidos na mesma fonte turva da corrupção. O uso de dinheiro obtido de forma ilícita para garantir benefícios e amparo da lei parece-nos aberração somente possível neste país surreal de hoje.

    ******

    A frase que não foi pronunciada
    “Nem ser rico ou pobre, nem ter habilidade para convencer, muito menos o bem comum. O que chama muitas pessoas para a política é o poder, o dinheiro ou o ego.”
    (Ulisses Guimarães, de onde estiver)


    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog-Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.