• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 7 de outubro de 2015

    Alerta para o Brasil

    De um fato ninguém duvida. O século 21 é de protagonismo da Ásia. Ali está a China, cujo crescimento planejado — com urbanização controlada e aplicação contínua em educação — a situa como segunda potência do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Ali também está o Japão, que, além de produtor de tecnologia, tem o terceiro PIB nominal do planeta.

    Dar as costas para esse cenário é sinal de cegueira. Talvez pela localização, sem saída para o Pacífico, o Brasil se excluiu da Parceira Transpacífico (PTP) — maior acordo regional de comércio da história. Formado por Estados Unidos, Japão e mais 10 países, o bloco detém cerca de 40% da riqueza mundial.

    A relevância do acerto vai além da fatia do PIB global. Abrange outras dimensões. Em primeiro lugar, vem a geopolítica. Ao deixar de fora a China, Tóquio e Washington esperam pôr freio no desenvolto avanço de Pequim na América Latina e em países que hoje fazem parte da área de influência da potência amarela.

    Em segundo, sobressaem novos paradigmas para o comércio global. Não mais se discutem tarifas, etapa superada, mas padrões que se situam em patamar mais sofisticado. Deixando mercadorias em segundo plano, ganham destaque serviços, propriedade intelectual, solução de controvérsias, meio ambiente, competição, mercado de trabalho. Em suma: o filé-mignon da economia contemporânea.

    Vale lembrar que os serviços representam importante parcela do comércio internacional. Hoje, abocanham 54% das transações. Daqui a 10 anos, estima-se, o percentual baterá em 75%. Com a liberação do setor, os Estados Unidos — maior exportador mundial de serviços — deve dar importante salto qualitativo, com impulso significativo para o crescimento e a criação de postos de trabalho.

    Claro que o pacto, negociado durante anos com idas e vindas próprias das grandes guinadas, precisa do aval do Congresso americano. Barack Obama, que desempenhou papel-chave no processo, encontra resistência até no próprio partido e, sobretudo, nos sindicatos. Sem comprometer a essência, o texto deve sofrer alterações na redação final.

    Autoexcluído do tratado, o Brasil se aliena cada vez mais dos avanços do século 21. As consequências baterão à porta em breve. Economistas preveem cenário pessimista para o país: encolhimento de 2,7% das exportações nacionais. É lamentável. O dia que acordar para a nova realidade, o governo terá de se submeter às regras traçadas por outros. Pior: sem educação de excelência, dificilmente se incluirá na economia do conhecimento.

    Fonte: “Visão” do Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.