• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 17 de outubro de 2015

    Brasília-DF: Adesão à greve não atinge todas as escolas

    No segundo dia da greve dos professores da rede pública, escolas do Distrito Federal apresentaram situações variadas. Enquanto houve paralisação total em algumas unidades, outras mantiveram funcionamento parcial ou mesmo pleno. Por enquanto, sindicato e Secretaria de Educação não conseguem dimensionar a taxa de adesão da classe. A paralisação foi deflagrada na quinta-feira, após ato público realizado na Praça do Relógio, em Taguatinga. A principal reivindicação dos servidores é a quitação da última parcela do reajuste salarial da categoria, estabelecido em 2013. Mas, segundo representantes do governo, não há condições orçamentárias para o pagamento.

    Assim, para parte dos alunos da rede pública, não houve aula na sexta-feira. Em centros educacionais, como a Escola Classe da 304 Norte, os portões permaneceram fechados. Mas nem todas as escolas deixaram de receber os estudantes. No Centro de Ensino Médio Elefante Branco, na Asa Sul, por exemplo, parte dos professores mantiveram as atividades. “Os que têm contrato temporário vieram, principalmente para aplicar provas ou receber trabalhos”, conta o estudante do 2º ano Matheus Pereira, 17 anos.

    Em alguns casos, a greve passou imperceptível. Na Escola Classe 308 Sul, as aulas foram dadas normalmente. “Recebemos um comunicado do colégio informando que não haveria paralisação”, relata o funcionário público William Santiago, que levou o filho William, 8, para o colégio. Em compensação, o irmão mais novo, Jacques, 4, teve de ficar com o pai, pois o Jardim de Infância em que estuda não abriu as portas.

    A diversidade de situações é ainda maior devido aos feriados da semana — Dia de Nossa Senhora Aparecida e Dia do Professor. Cada colégio decidiu como organizar os abonos referentes às datas. Dessa forma, ainda não há consenso entre o Sindicato dos Professores (Sinpro-DF) e a Secretaria de Educação quanto ao número real de escolas e profissionais que aderiram ao movimento. Apenas na segunda-feira, com o retorno da programação normal, as instituições poderão realizar os levantamentos.

    Para a Associação dos Pais e Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal (Aspa-DF), os estudantes serão prejudicados com a greve.

    “Concordamos com as reivindicações dos professores e queremos que eles sejam valorizados. Mas a perda de aulas nesta fase final do ano letivo pode prejudicar muito os alunos, especialmente os do ensino médio, que estão prestes a fazer provas de vestibular e do Enem”, opina Luis Cláudio Megiorin, presidente da Aspa-DF.


    Por: João Gabriel Amador - Especial para o Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog-Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.