• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 15 de outubro de 2015

    CARLOS CHAGAS: COMANDANTE DO EXÉRCITO FALOU O QUE PODIA E O QUE DEVIA


    Por: Carlos Chagas
    Comentários feitos pelo comandante do Exército foram tão ou mais importantes do que as liminares expedidas pelo Supremo Tribunal Federal para limitar a aventura do deputado Eduardo Cunha em torno do impeachment da presidente Dilma. O general Villasboas falou a um grupo de tenentes da reserva, através de videoconferência, na sexta-feira. Respondendo a diversas perguntas, reconheceu que a crise é política, econômica e moral, mas jamais institucional. Há, no entanto, para ele, o risco de que se transforme em crise social, que diz respeito às forças armadas.
    Traduzindo: se houver baderna generalizada, invasões de propriedades públicas e privadas em ritmo preocupante, ataques à autoridade constituída,  violência e desobediência civil, os soldados irão para a rua. Claro que, conforme a Constituição, a pedido de um dos três poderes da União, para garantir a lei e a ordem.
    Significa o quê essa advertência? Primeiro, que os militares encontram-se perfeitamente afinados com a democracia. Prontos para assegurá-la, se necessário. As instituições estão funcionando, disse o general, dando como exemplo a decisão do Tribunal de Contas da União, ao rejeitar as contas da presidente Dilma em 2014.
    O problema é que arremedos da crise social já aconteceram, há dois anos. Depredação de instalações do metrô, de agencias bancárias, do comércio e até as fachadas do Congresso e do ministério das Relações Exteriores. Não havia, ainda, as crises política e econômica, no grau atual, mas, mesmo assim, grupos específicos entregaram-se a excessos. Felizmente, foram espasmos sem grandes consequências, e faz algum tempo que não se repetem. Hoje, o povo vai para a rua, mas em  protestos  ordeiros  e pacíficos. As forças armadas têm colaborado com o poder civil, em especial nas favelas do Rio. Inexiste a menor indicação de que pretendam repetir o passado cada vez mais longínquo.
    CRISE SOCIAL
    Mesmo assim… Mesmo assim, crescem os sinais da crise social, com a desumana prática das demissões em massa, promovida pelos mesmos de sempre, estimulando movimentos grevistas em ritmo crescente, sob as vistas de um governo incompetente. Aflora um perigo: despertaria sentimentos variados a presença militar para evitar a baderna, vale repetir a Constituição, “a pedido de um dos três poderes”.  Muita gente exortaria as forças armadas a prosseguir a marcha, ocupando o poder e alegando ser  para evitar sua deterioração. No extremo oposto, grupos que em idos anteriores mobilizaram-se para enfrentar a ditadura poderiam confundir as situações e precipitar-se num confronto injusto.
    O comandante do Exército falou o que podia e devia. Talvez venha a ser mal interpretado, não faltando as cassandras de lá  e de cá para distorcer suas palavras.
    INICIATIVA POSITIVA
    Nem só das tricas e futricas do deputado Eduardo Cunha vive a Câmara. Esta semana foi rejeitada a medida provisória que autorizava as empresas a reduzir em 30% o salário dos trabalhadores, diminuindo também a jornada de trabalho.   Tirada do saco  de maldades da equipe  econômica  a pretexto  de evitar demissões, a iniciativa  atropela a  Consolidação das Leis do Trabalho, sobrepondo o “acordado” pelo “julgado”.  Qual o patrão que deixaria de colocar o empregado diante da pérfida opção entre  aceitar a redução ou ser mandado embora?

    A medida provisória foi derrotada contra o voto da bancada do PT, destacando-se o Vicentinho, ex-presidente da CUT, que para agradar o governo, pregou sua aprovação. Felizmente, quebraram  a cara.

    CHARGE DO ALPINO



    Compartilhado do Blog "Tribuna da Internet"

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.