• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 28 de outubro de 2015

    Crônica da Cidade: A desfiguração do Touring

    Nos anos 1970, era tamanha a alienação dos brasilienses em relação à cidade que o irreverente professor da UnB João Evangelista cogitou criar uma associação de não moradores de Brasília. Felizmente, esses tempos de alheamento brutal parecem ter ficado para trás, principalmente com as redes sociais.

    Brasília tem vários prédios de relevância arquitetônica, cultural e simbólica que foram relegados à condição de ruínas e de monumentos do desamor pela cultura pelos últimos governos. É o caso do Teatro Nacional de Brasília, do Espaço Cultural da 508 Sul, do Museu de Arte de Brasília e da Escola de Música. Como se não bastasse esse descaso histórico, fomos surpreendidos, no último fim de semana, com um novo capítulo desse teatro do absurdo: a notícia de que o prédio do Touring Club de Brasília, projeto de Oscar Niemeyer, está sendo desfigurado por uma reforma feita por uma igreja.

    No entanto, há um aspecto positivo em toda essa confusão: uma intensa e veloz mobilização dos brasilienses nas redes sociais obrigou a Agefis, o Ministério Público e o Iphan a embargar a obra. É bom saber que a internet não é apenas a morada dos narcisistas, dos ignorantes e dos tolos; ela pode ser acionada também para causas relevantes.

    Ainda existem alguns mistérios a serem desvendados. Quem é o dono do prédio e quem concedeu autorização para reforma tão esdrúxula? Mesmo na condição de propriedade particular, aquele edifício é tombado, não pode ser reconstruído ao sabor dos caprichos de cada um e para qualquer finalidade.

    Todo esse atropelo pode ser um momento para tomada de consciência e para uma mudança de atitude no sentido de revalorização dos espaços culturais de Brasília. A arquiteta Maria Elisa Costa, filha de Lucio Costa, reivindica que o prédio do Touring seja desapropriado e transformado em espaço cultural. Nada mais justo. O edifício, com vista privilegiada para a Esplanada dos Ministérios, já serviu de oficina mecânica, posto de gasolina e ponto de comércio para ambulantes. Brasília está na contramão da maioria das capitais brasileiras, que têm revitalizado, como núcleos culturais, presídios desativados, antigas estações ferroviárias ou armazéns portuários em desuso. Está na hora de mudar.

    Brasília foi criada por artistas ou por gente com alma de artista, que reservaram generosos espaços para a cultura. Mas, com o regime de exceção de 1964 e, mesmo com a redemocratização, a cidade ficou nas mãos de mandatários desamantes da arte e sofreu um processo de degradação que a reduziu a cenário para um faroeste caboclo.

    O tombamento de Brasília como patrimônio cultural da humanidade pela 
    Unesco impôs um freio e colocou um parâmetro internacional alto para avaliar a cidade. Se não fosse o tombamento, Brasília já teria sucumbido à ganância, à ignorância, ao provincianismo, ao oportunismo e à cafonice. Mesmo assim, a cidade permanece alvo de desmandos.

    Mas esse rápido movimento contra a descaracterização do prédio do Touring Club é um sinal alentador. Mostra que os brasilienses não aceitam mais, passivamente, as agressões contra a cidade. Como diz Noel Rosa no Samba do positivismo: “O amor vem por princípio/A ordem por base/O progresso é que deve vir por fim”.

    Por: Severino Francisco – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.