• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 13 de outubro de 2015

    Impeachment: Trama hitchcockiana

    Nas Entrelinhas: Luiz Carlos Azedo
    Correio Braziliense - 13/10/2015
     

    Cunha prometeu rejeitar ainda hoje os oito pedidos de impeachment que restavam na sua gaveta, mas insinuou que pode aceitar o de Bicudo

    Em pleno feriadão, quando a maioria das pessoas aproveita a oportunidade para descansar ou viajar (nem sempre são a mesma coisa), a presidente Dilma Rousseff imprimiu um ritmo frenético às nomeações de cargos de segundo e terceiro escalões do governo para reorganizar a sua base na Câmara e conseguir barrar o pedido de impeachment de autoria dos juristas Hélio Bicudo, ex-deputado fundador do PT, e Miguel Reale Júnior, que foi encampado pela oposição.

    O Palácio do Planalto teme que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceite o pedido, depois do aditamento pela oposição de uma auditoria feita pelo Ministério Público do Tribunal de Contas da União (TCU), em que foram constatadas novas “pedaladas fiscais” no atual mandato de Dilma, no montante de R$ 40 bilhões.

    Para neutralizar um possível acordo com a oposição, o Palácio do Planalto chegou a oferecer blindagem a Cunha no Conselho de Ética, contra um pedido de cassação do presidente da Câmara apresentado pelo PSol. Cunha negou ter contas bancárias na Suíça ao depor na CPI da Petrobras, razão pela qual pode perder o mandato por quebra de decoro parlamentar.

    Depois de manter conversas com os ministros Edinho Silva (Comunicação Social) e Jaques Wagner (Defesa), em Brasília, e de receber os deputados de oposição Carlos Sampaio (PSDB-SP) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), no Rio de Janeiro, o presidente da Câmara mantém o suspense sobre a sua decisão.

    Alfred Hitchcock, mestre do cinema (Janela indiscreta, Psicose e Os Passáros), descreve o suspense como a expectativa de que algo ruim que está prestes a acontecer (ou que os expectadores acreditam que possa acontecer), uma perspectiva construída através de eventos sucessivos, aos quais eles não têm o poder de interferir de forma a prevenir os acontecimentos.

    Três cenários

    Cunha prometeu rejeitar ainda hoje os oito pedidos de impeachment que restavam na sua gaveta, mas insinuou que pode aceitar o de Bicudo. Se isso ocorrer, a oposição não precisará recorrer ao plenário para abrir um processo de cassação da presidente Dilma Rousseff, o que exigiria metade mais um dos votos dos presentes, com quórum mínimo de 257 deputados. Essa será uma tarefa do governo.

    Dilma reuniu-se ontem, novamente, com os ministros da Casa Civil, Jaques Wagner; da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini; e com o assessor especial Giles Azevedo para avaliar a situação. São eles que negociam o apoio dos partidos da base em troca de nomeações nos ministérios. Todos os ministros estão mobilizados para enquadrar suas respectivas bancadas de deputados, tão logo saiam as nomeações de seus indicados no Diário Oficial da União.

    Há também grande expectativa quanto ao Ministério Público Federal. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é o grande algoz de Cunha, pois comanda pessoalmente as investigações sobre o envolvimento do presidente da Câmara com os desvios na Petrobras. Janot sofre pressões do PT para que peça o afastamento do presidente da Câmara ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski.

    Há três cenários possíveis: primeiro, Cunha pode rejeitar o pedido e a oposição recorrer ao plenário, situação para a qual o Palácio do Planalto se preparou no fim de semana com objetivo de barrar o impeachment na Câmara; segundo, aceitar o pedido e dar início ao processo de impeachment, o que levará o governo a recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF); terceiro, adiar o parecer e prolongar o suspense, o que fará aumentar as pressões da opinião pública sobre a oposição pela cassação imediata do presidente da Câmara.

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.