• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 10 de outubro de 2015

    OAB, ABI, CNBB, UNE e a democracia

    Nem mesmo atos provados de corrupção são tão letais a uma instituição de defesa da cidadania do que a sua conversão aos ditames do governo de plantão, seja de que matiz for. O aparelhamento tem o poder da estricnina, os efeitos do envenenamento continuam a agir por longo tempo, tornando a plena recuperação tarefa árdua e, às vezes, inócua sempre que a memória vem à tona. A abdução política, nesses casos, funciona como quebra de confiança. Uma vez rompida, ficam os remendos, as cicatrizes. Sendo assim, como manter instituições, que têm no seu cerne características marcadamente políticas, distantes e imunes aos diferentes governos?

    O que parece, num primeiro momento, um paradoxo, sem solução, encontra na leitura atenta dos próprios estatutos a saída para o impasse. Ao brasileiro fica a impressão de que o retorno ao estado de direito fez perder o viço dessas instituições que eram  a voz do cidadão, do mesmo modo que esvaziou a música e a poesia dos compositores de protesto. Numa primeira impressão, tudo ficou como que pasteurizado, numa geleia geral amorfa e insípida. Pior para a democracia.

    O silêncio obsequioso desses organismos, no caso do momento tão grave por que passa a nação, muito mais do que insinuar uma cumplicidade cínica, arremessa o cidadão no terreno baldio da incerteza e do desamparo. Sem ter a quem recorrer nesta hora de aflição, o cidadão órfão tem apenas numa parte da imprensa e nas manifestações espontâneas das ruas a certeza de que não está sozinho nesta longa noite.

    Definitivamente, democracia não se constrói sem traumas e sustos. A ordem de secessão, repetidamente ordenada pelo governo contra quem ousasse discordar, fez calar também as instâncias derradeiras da cidadania. Fechadas num mutismo autista, essas instituições deitaram por terra a própria razão de existir. Passada a tormenta, ficarão ainda os escombros das ordens, associações, confederações e união, todas à espera de quem possa reaver a credibilidade perdida.

    A frase que foi pronunciada:
    “O poder sem moral transforma-se em tirania.”
    (Jaime Balmes)

    Por: Circe Cunha - Coluna "Visto,lido e ouvido" - Ari Cunha - Correio Braziliense - Foto/Ilustração: Blog-Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.