• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 11 de novembro de 2015

    Crise agrava o que era ruim

    Não é segredo para ninguém que os serviços públicos prestados por escolas, hospitais, delegacias, transportes e outros, são muito ruins para a população. Qualquer pesquisa de opinião pode aferir que o cidadão não está, minimamente, satisfeito com os órgãos públicos.

    Mesmo sabendo que paga caro por eles, por meio de carga de impostos desumana, o que recebe em troca é precário,  pela metade, demorado, feito por gente que não sente a menor satisfação em servir ao público. Ao contrário. O público é um estorvo, pede, reclama e exige.

    No país, a máquina pública é inchada, ineficiente, morosa e cara, a capital federal apenas repete o modus operandi Brasil afora. Há cerca de um mês, várias categorias profissionais entraram em greve, infernizando a vida dos brasilienses. O sentimento geral da população que necessita dos serviços públicos é retratada por um misto de abandono e resignação.

    Acostumada aos maus-tratos, a população reconhece que a crise provocada pela escalada, sem precedentes, de greves, apenas torna pior o que, por natureza, é ruim. A sociedade pode perceber, ao longo de muitas greves, que os movimentos paredistas se estruturam de forma a causar o maior dano possível ao contribuinte, principalmente o de baixa renda.

    A estratégia de greve que os sindicatos adotam desde o século 19 ainda tem na alça de mira o cidadão desvalido, e não o patrão, acusado de explorador. Por essas e por outras, as categorias em greve perdem, cada vez mais, o apoio do cidadão. Para muita gente, grevista passou a ser sinônimo de desocupado e desordeiro. Não à toa, muita gente afirma, sem medo, que não deu pela falta de muitos grevistas. Greve? Que greve?

    ******

    A frase que não foi pronunciada
    “Regras para evitar aborrecimentos: não pense, não fale, não seja.”
    (Rabisco na porta de um banheiro de um serviço público.)

    Por: Circe Cunha – Coluna: “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.