• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 11 de novembro de 2015

    Crônica: Bichos da Cidade-Parque

    Curicaca
    A natureza enlaça o brasiliense de maneira tão inapelável que impõe uma convivência cotidiana com os bichos. O meu consultor para a matéria é o artista plástico Luiz Gallina, que elaborou diversas séries de gravuras inspiradas na vegetação e na fauna do cerrado. Atualmente, é possível avistar muitas aves raras no centro da capital do país. É o caso da curicaca, uma ave de grande porte, que costuma aparecer nos gramados. O arredio alma-de-gato também costuma dar o ar de sua graça.
    Biguá

    A quantidade de biguás, uma espécie de pato que mergulha à caça de peixe, aumentou muito no lago. Certo dia, Gallina viu uma revoada com cerca de 500. O sabiá laranjeiro, os papagaios, a arara-vermelha, os beija-flores, as curicadas, os joões-de-barro são presenças frequentes da cidade-parque.

    Gallina imaginava que a população de pássaros havia crescido no Plano Piloto apenas em razão do Lago Paranoá. Mas um amigo antropólogo explicou que, infelizmente, isso tem ocorrido também por causa da pressão exercida pelas plantações de soja, que provocam um desequilíbrio ambiental. Os pássaros e os bichos estão aprendendo a viver na cidade.

    Quando passou a morar em um condomínio, Gallina se viu envolvido em muitas aventuras cotidianas. Ao atravessar a ponte Honestino Guimarães, divisou um bando de capivaras cruzando o asfalto, parou o carro e começou a fazer sinais desesperados aos motoristas para que não atropelassem os bichos. Do outro lado da pista, outro sujeito fez o mesmo. Depois que as capivaras partiram, claro que os dois ficaram conversando um tempão sobre bichos. É muito comum acontecer isso em Brasília.


    Estava de volta para casa, quando avistei um ciclista no meio de uma via do Lago Sul, próximo a uma área de reserva ambiental, com acenos aflitos. Imaginei que ele alertasse para algum acidente próximo. Olhava e não detectava nada. Mas, de repente, baixei os olhos e vi algo brilhante se movendo no chão. O que o ciclista protegia era uma elegante cobra desfilando tranquilamente pela avenida.
    Existem as corujinhas da Octogonal, as corujinhas das placas-tótens de identificação da 713 Norte e, agora, os tucanos da 415 Norte. Da janela dos prédios, os moradores e observadores de pássaros acompanham os mínimos movimentos da família tucanuçu durante o período de reprodução. Nada escapa: a festa da comida, as bicadas e os beijos.
    Tucanuçu 
    Há alguns anos, atirei pedras para dispersar uma turma de macacos-pregos que infernizam o telhado de casa e tive uma torção no braço que me provocou dores terríveis. Fiquei igual aquele personagem da famosa charge: “Dói só quando eu respiro”. Todos a quem narrei os meus padecimentos ficaram mais preocupados com os macaquinhos do que comigo. Nunca vi turma mais bagunceira. Até o doutor Rafael, competente fisioterapeuta que me atendeu, fez recomendações em tom intimidatório: “Mas os macaquinhos? Trata bem dos macaquinhos”. Realmente, brasiliense gosta de bicho, brasiliense fala a língua dos bichos.
    Macaco Prego


    Por: Severino Francisco - editor de Cultura e colunista do Correio Braziliense – Fotos/Ilustração: Blog – Google

    Um comentário:

    1. Prezado Chiquinho Dornas
      Belíssima crônica. Viver numa cidade-parque tem suas vantagens.
      Poré, discordo, em parte, da afirmação do antropólogo, citado pelo artista plástico Luiz Gallina:
      “.... imaginava que a população de pássaros havia crescido no Plano Piloto apenas em razão do Lago Paranoá. Mas um amigo antropólogo explicou que, infelizmente, isso tem ocorrido também por causa da pressão exercida pelas plantações de soja, que provocam um desequilíbrio ambiental. Os pássaros e os bichos estão aprendendo a viver na cidade”.
      Não é bem assim, pois há as reservas nativas em cada propriedade rural e as aves e pequenos animais silvestres lá estão. Se assim fosse, outras cidades também teriam a grande quantidade de pássaros e pequenos animais que nossa Brasília tem. Sabe qual é a diferença entre Brasília e outras cidades que não desfrutam dessa fauna, presente diariamente? A grande área verde com frondosas árvores, sendo que milhares delas são frutíferas (abacate, amora, jamelão, goiaba, manga, jaca, caju, jabuticaba, manga, pitanga, laranja, banana, carambola... e tantas outras).
      Aí está a receita para se ter pássaros e pequenos animais: árvores frondosas para nidificação e fartura de alimento (frutas). Quer uma prova? Veja a foto do macaco prego que ilustra a crônica. Ele está no galho de uma árvore chamada “jamelão” que produz enorme quantidade de frutos (preto/roxo... bom para danificar a pintura do carro...rsrs) que servem de alimento para toda a fauna.
      A Brasília de antes não tinha tantos pássaros e pequenos animais selvagens. Só agora, mais recente, com o crescimento das árvores e proliferação das frutíferas, eles estão chegando e aqui se reproduzindo. Em frente à minha janela as pombas “asa-branca” (em Minas chamamos de “trocal” ou juriti, um pouco mais marrom e bem maior que as rolinhas) fazem seus ninhos e se deliciam com jamelão, amora e abacates. Foi assim na minha chácara. Depois que plantei várias espécies de fruteiras, os pássaros se multiplicaram. Até os tucanos passeiam por lá em busca de mamão, sua fruta predileta, sem contar os canarinhos-da-terra que nos alegram com suas redobradas cantorias.
      Um abraço

      ResponderExcluir

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.