• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 18 de novembro de 2015

    Detector de corruptos "Suas excelências não funcionam com serenidade; só funcionam sob pressão."

    Em algum momento do processo de mudança da capital do país, o presidente Juscelino Kubitschek afirmou que a transferência do Rio para Brasília permitiria à classe política mais tranquilidade para tomar decisões relevantes sobre o destino do país. Felizmente, o vaticínio de JK não se confirmou.

    "Suas excelências não funcionam com serenidade; só funcionam sob pressão."

    Alguns cariocas saudosos ainda batem no refrão de que se a capital fosse no Rio de Janeiro não ocorreriam tantas falcatruas, pois, lá, a pressão popular inibiria os trambiques de suas excelências. Infelizmente, tal teoria não resiste a uma rápida análise dos acontecimentos. Se isso fosse verdade, jamais teríamos a megabandalheira na Petrobras, sediada no Rio de Janeiro.

    Em Brasília, os despautérios cometidos pelos nobres parlamentares não têm passado em brancas nuvens. Recentemente, ratos foram soltos no Congresso durante a CPI da Petrobras, em uma imagem rica de simbolismo. Houve também uma revoada de notas falsas de dólar sobre a cabeça do deputado Eduardo Cunha, durante uma entrevista coletiva. Por causa disso, o presidente da Câmara resolveu instituir uma revista nos funcionários do parlamento. Mas, em um segundo momento, desistiu da proposta desrazoada.

    Da minha parte, gostaria, humildemente, de fazer algumas sugestões para melhorar a segurança do Congresso. Por exemplo: não seria talvez mais sensato que o presidente daquela ilibada Casa investisse em um detector de abuso econômico para evitar o ingresso de deputados e senadores eleitos com dinheiro de megacorporações, tais como as empreiteiras, os bancos, as indústrias de produtos alimentícios, o agronegócio, a indústria das armas e as mineradoras? Tal medida não contribuiria para uma ambicionada desratização da política?

    Também teria ação saneadora um detector de mentiras. Evitaria que as excelências envolvidas em operações suspeitíssimas ferissem o decoro da Casa com informações falsas de que não dispõem de contas em outros países. E, ainda na mesma linha, com certeza, o ambiente parlamentar ficaria mais saudável se alguém inventasse um detector de achacadores para localizar aqueles que, empoleirados em partidos de aluguel, vendem e compram votos indiscriminadamente.

    E, finalmente, sugiro a licitação para a compra de um detector de corruptos, que livrasse de vez o parlamento de quem faz fortuna de maneira inexplicável, emprega funcionários fantasmas em seus gabinetes, mantém contas fantasmas em outros países, lava o dinheiro em paraísos fiscais e, de quebra, desfila uma frota de carrões importados com cascata artificial e filhote de jacaré, incompatíveis com os ganhos declarados no Imposto de Renda.

    São medidas que, à primeira vista, podem parecer ingênuas. Mas posso garantir ao ilustre presidente da Câmara que, se fossem levadas a sério, aquela Casa funcionaria de maneira muito mais harmônica e o ambiente seria muito mais salubre, sem precisar de inúteis chuvas de dólares falsos ou de desagradáveis infestações de ratos.


    Por: Severino Francisco – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.