• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 20 de novembro de 2015

    Era uma vez um Brasil - Lula acordou e vem correndo atrás do prejuízo.

    Acossado pela avalanche de denúncias que, pouco a pouco, vai colocando o seu nome no centro dos escândalos de corrupção revelados pelas investigações da Polícia Federal e do Ministério Público, o ex-presidente Lula acordou e vem correndo atrás do prejuízo.

    Em pouco mais de uma semana, Lula conseguiu armar um segundo pronunciamento, disfarçado em entrevista informal e exclusiva. Como da primeira vez, o ex-presidente escolheu, a dedo, um entrevistador amigo, conhecido pelas boas maneiras, cordial e com fama de jamais deixar o entrevistado em saia justa. Porém, dado o número de acusações que pesa sobre ele, o seu governo e o atual, conduzido por Dilma Rousseff, do qual é o principal responsável, o entrevistador não pôde se furtar em colocar as perguntas que, afinal, todo o país vem fazendo nos últimos anos.

    Infelizmente, mais uma vez, chega a ser constrangedor ter de ouvir a versão de Lula para os fatos que ocorreram no passado recente. A falta de modéstia contrasta muito com alguém que se diz oriundo da pobreza.” Duvido que na história deste país tenha havido um presidente que tenha estabelecido uma relação com a sociedade que eu estabeleci”, afirmou Lula. Em sua visão paternalista, “o Estado tem que tratar melhor os que mais precisam, como uma mãe cuidando da família”.

    “Duvido que tenha alguém exercido mais a democracia do que eu”, desafiou. Ficam como inexistentes, então, as diversas tentativas de regulação da mídia, uma bandeira histórica do PT, por meio de vários expedientes tentados ao longo dos últimos anos e que geraram grande controvérsia no país. “É bom que os banqueiros ganhem muito dinheiro para que eles não deem trabalho para o Estado”, declarou o ex-presidente, numa alusão, até certo ponto, controversa, para quem se declara de esquerda.

    “Eu fui muito criticado porque fui o mais republicano dos presidentes que este país já teve”, declarou Lula sem pestanejar. Sobre o seu governo e o da sucessora, Lula considerou que todos os números, nesses últimos 12 anos, mostraram que o país nunca viveu um momento tão exitoso e extraordinário. E garantiu: “Nunca, na história deste país, o Brasil teve 12 anos de crescimento”.

    Sobre as constantes intromissões feitas no andamento do governo Dilma, o ex-presidente negou enfaticamente que tenha interferido ou mesmo dado qualquer palpite à atual governante. Lula negou ainda que venha fazendo campanha pela troca do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pelo ex-presidente do Banco Central Henrique Meireles. Com declarações desse calibre, acreditar nas palavras de Lula se tornou um ato de fé, restrito aos crentes e a todos que creem na dona Carocha.

    ******
    A frase que não foi pronunciada
    “O reequilíbrio fiscal de 2015 e o cumprimento das metas fiscais em 2016 e 2017, como previsto na LDO recém-aprovada, serão os fundamentos de novo ciclo de crescimento. Assim como o ajuste nos gastos que antecedeu ao Plano Real, foi talvez o menos falado, mas não o menos importante fator do sucesso da estabilização monetária, que perdura até hoje.”
    (Ministro Joaquim Levy)


    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.