• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 5 de novembro de 2015

    Fundos de Pensão: Perdas de bilhões

    Criados como alternativa para proporcionar complemento de renda, as entidades fechadas de previdência complementar, genericamente denominadas fundos de pensão, conseguiram, ao longo de décadas, acumular patrimônio invejável. Os 320 fundos de pensão existentes hoje no país acumulam patrimônio que, somado, alcança a cifra astronômica de R$ 704 bilhões. Com tal soma de recursos, essas entidades se colocam como o oitavo patrimônio mundial do setor, assegurando atendimento a um universo de mais de 7 milhões de segurados.

    Naturalmente, toda essa riqueza equivalente a muitos PIBs de alguns países desde logo chamou a atenção de todo mundo. De investidores e gestores sérios, passando por especuladores de diferentes calibres, os fundos foram alvo da cobiça, principalmente de políticos inescrupulosos, que usaram as brechas na lei para se imiscuir nessa seara e dela extrair o máximo de proveito possível. Tão logo tomou posse, o presidente Lula abduziu os dirigentes dos maiores fundos de pensão da época (Funcef, Previ e Petros), respectivamente de Caixa Econômica, Banco do Brasil e Petrobras, para, juntos, “colaborarem”, à moda petista, nos mirabolantes projetos de infraestrutura montados às pressas país afora.

    Pela mesma porta em que foram introduzidos para aplicar nos planos do governo, os fundos de pensão encontrariam o caminho certo que os levou, sem volta, ao calvário do submundo da política. Resultado dessa parceria perigosa aparece, em parte, no rombo de caixa que essas entidades vêm revelando aos segurados nos últimos anos. Mais de 40 fundos fecharam 2014 com deficit total acumulado de R$ 31 bilhões.

    Segundo reportagem do Correio Braziliense, em 2015 as perdas fecharam o trimestre com passivo de R$ 36 bilhões, aumentando para R$ 46 bilhões no segundo trimestre deste ano. Misto que inclui erros de avaliação, má gestão e uma série de denúncias de fraudes e corrupção dilapidou rapidamente o patrimônio dos fundos, colocando em sério risco os objetivos iniciais e levando pânico aos segurados.

    As CPIs na Câmara e no Senado, ainda em andamento lento, seguem os passos das investigações da polícia, que, por sua vez, segue o rastro deixado pela fortuna que se esvaiu nos desvãos do poder. Por enquanto, cabe aos inscritos nos planos arcar com os prejuízos na forma de aumento nos valores das contribuições. A regra “cada enxadada, uma minhoca” revela que, no caso, o que está por vir não é apenas uma, mas bilhões de minhocas.

                                                            ***

    A frase que foi pronunciada
    “Brasil: estranho país de corruptos sem corruptores.”
    (Luis Fernando Veríssimo)

    Por: Circe Cunha – Coluna: “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.