• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

    #INTOLERÂNCIA » Chico Buarque tem noite de Geni - (Bate-Boca)

    O compositor, ao ouvir que "PT é bandido", responde: "Eu acho o PSDB bandido. E agora?"

    Autor de Geni e o Zepelin se envolve em bate-boca ao sair de restaurante no Leblon, Rio de Janeiro, por causa do PT

    O cantor, compositor, escritor e dramaturgo brasileiro Chico Buarque de Hollanda foi hostilizado por um grupo de jovens ao sair de um restaurante acompanhado de amigos, entre eles o cineasta Cacá Diegues, na noite de segunda-feira, no bairro do Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. Três homens o cercaram e repetiram a frase: “o PT é bandido”. Chico parou para conversar e retrucou: “Eu acho o PSDB bandido. E agora?” O vídeo foi publicado originalmente no site Glamurama.

    Apesar da baixa qualidade do áudio, é possível perceber o cantor alegando que as acusações são baseadas em publicação jornalística antipetista. Em outro trecho do vídeo, o compositor pergunta de onde conhece um dos integrantes do grupo. “Rapaz, engraçado, eu não estou te reconhecendo. Eu te conheço de onde? Como é seu nome?”, questiona. O interlocutor responde: “Você é famoso e eu não sou”. Em seguida, ao ser questionado novamente, fala o nome. “Túlio. Túlio Dek”. Depois, Chico pergunta o nome dos outros dois, aperta a mão deles e, ironicamente, os parabeniza. “Parabéns para vocês”.

    Em outro momento, quando o compositor se afasta para ir embora, um dos jovens grita: “petista” e uma voz ao fundo pergunta: “vai correr daqui já?”. No meio do bate-boca, um deles ironiza o fato de Chico Buarque ter morado em Paris. “Para quem mora em Paris, é fácil”, diz. Um dos jovens é filho do conhecido empresário paulista Álvaro Garnero. Túlio Dek é rapper. No fim, quando o compositor se encaminha para pegar o táxi, um deles fala: “Todo mundo era seu fã, Chico”.

    Outros casos
    Não é a primeira vez que petistas são hostilizados em locais públicos. No início de novembro, o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, almoçava com a família em um restaurante de Belo Horizonte, em Minas Gerais, quando foi agredido verbalmente. Ele foi chamado de corrupto. Um homem mostrou um guardanapo onde estava escrito “Fora, PT”. O ministro ainda tentou dialogar, mas não teve jeito. Em sua página do facebook, após o episódio, o petista comentou o caso. “Este não vai ser o país do ódio. Ninguém vai nos tirar das ruas de Belo Horizonte”.

    Em outubro, foi a vez do secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, o ex-senador Eduardo Suplicy. Ele foi hostilizado ao sair de uma livraria, onde, minutos antes, o prefeito Fernando Haddad havia concedido uma entrevista. Ele ouviu gritos de “Suplicy, vergonha nacional” de um pequeno grupo que estava no local.

    O ministro do Trabalho e Previdência Social, Miguel Rosseto, foi recebido com palavras de ordem quando entrou num avião de carreira. Ele viajava de São Paulo para Brasília. Parte dos passageiros entoaram músicas de conteúdo agressivo contra os petistas e a presidente Dilma Rousseff. O ministro chegou a bater boca com um dos passageiros.

    No início de outubro, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha acabou sendo chamado de “ladrão” quando tomava cerveja com um amigo numa churrascaria de São Paulo. No momento em que se levantou para ir embora, pessoas que estavam em outra mesa disseram que ele deveria pagar a conta de todos já que ele e outros políticos “roubaram tanto o país”.

    “Para quem mora em Paris, é fácil. Todo mundo era seu fã, Chico” 
    (Frases ouvidas por Chico Buarque na noite carioca)


    Fonte: Correio Braziliense 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.