• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 3 de janeiro de 2016

    100 anos-novos para eles - "Dois centenários do Distrito Federal"

                    Coronel Heliodoro, ao lado de Sãozita: desejo de chegar aos 110 anos

    Dois centenários do Distrito Federal, do Lago Sul e de Ceilândia, alcançam 2016 com lembranças e vontade de curtir cada vez mais a vida com familiares e amigos. Um está pronto para lançar livro; a outra ainda festeja a chegada aos três dígitos

    Para quem tem 100 anos ou está quase lá, a virada de ano é uma passagem suave. Em vez de festas, contemplação. Deixam-se de lado resoluções e promessas; o presente é o futuro que interessa. Durante a contagem, não pensam mais nas bravas conquistas a serem alcançadas. Os desejos para o novo ciclo são simples e, por isso, fundamentais. Pensam em qualidade de vida, momentos com a família, aproveitar um dia de cada vez. O réveillon dos centenários é a lição de vida que os mais jovens tentam aprender a partir de amanhã.

    No ano em que completa o centenário, o coronel Affonso Heliodoro deve lançar mais um livro. Ainda sem título, a obra é uma seleção de crônicas e contos sobre as passagens da vida do fiel companheiro de Juscelino Kubitschek. As histórias foram escritas ao longo da trajetória de Heliodoro e, há quatro anos, estão sendo revisadas e preparadas para publicação. A expectativa é de que o lançamento ocorra no dia do aniversário do coronel, 17 de abril. Com tanto a contar, não falta vontade de viver. “Vou chegar aos 110 anos! Não tenho doença nenhuma”, afirma o morador do Lago Sul.

    A tranquilidade é um dos caminhos que o trouxeram às portas do centenário. “Não tenho dívidas, de nenhuma natureza. Não tenho dívida financeira, nem de comportamento, tampouco de amizade”, diz. A chegada do ano-novo será ao lado da companheira, Maria da Conceição Cabral, a Sãozita, de 94 anos. Os dois passam o dia juntos, brincando um com o outro. “Nunca brigamos”, conta coronel Heliodoro. A harmonia diária é o desejo de Sãozita. “Quero estar ao lado do meu amor”, diz.
               Dona Eugenia reclama da dor, mas diz que vai dançar até os "1.500 anos"

    Muitos janeiros
    A baiana Eugenia Zacarias de Almeida completou o centenário em 8 de dezembro, e não fala muito sobre o futuro. Ela prefere relembrar o passado, seja o recente ou a época em que morava no Nordeste e lutava para criar os 10 filhos. Afinal, como ela mesma diz, “100 anos são muitos janeiros nas costas de uma pessoa”. Duas coisas são imprescindíveis na festa da virada de Eugenia: fogos de artifício e muita música.

    Apesar de se dizer doente por conta das dores físicas que sente, Eugenia não se deixa abater. Costura colchas à mão, tapetes, almofadas, faz sabão e, ao primeiro sinal de sujeira, põe-se em pé para uma limpeza caprichada. As filhas tentam convencê-la de que pode cair e se machucar, mas ela dá de ombros. “Eu fui criada na roça, não dou conta de ficar só vendo tevê, tenho que trabalhar”, explica. Com tanta vivacidade, a filha dela, Alice Malinski, chega a duvidar da idade da mãe. “Não acredito que uma pessoa dessa tenha 100 anos. Naquela época, os pais não sabiam: os filhos nasciam e registravam em qualquer data”, questiona.

    O evento para comemoração do centenário de Eugenia é exemplo da energia que ela tem. Embora ela reclame de dores nas pernas, um vídeo gravado pelo bisneto Alysson — neto de Alice — mostra a veterana dançando ao som da banda de rock Dire Straits. “Foi uma beleza! Comi de tudo. Se eu não estivesse doente, menina, aquilo ia ser um forró. Danço até inteirar 1.500 anos!”, conta Eugenia.

    Quando jovem, a baiana enfrentou diversas dificuldades, como a falta de água. “Eu nasci num lugar em que a gente bebia água boazinha só no inverno. De resto, era vermelha, salgada. E ainda tinha que descer um poço da ‘fundura’ desses postes e subir com o pote na cabeça”, relata. A cidade a que se refere a mãe de Alice é Mansidão (BA), a 650km de Salvador. Lá morou até se casar com Luiz Gomes de Almeida e se mudar para Formosa do Rio Preto, no mesmo estado.

    O casal teve 10 filhos. Além desses, vieram seis frutos do casamento anterior de Luiz. O marido morreu em 1958, quando Eugenia tinha 43 anos. Onze anos depois, ela veio ao Distrito Federal fazer algumas consultas e nunca mais retornou. “Quando o Luiz faleceu, dos 10 filhos, só dois estavam crescidos. Eu sofri demais para criá-las, mas fiz com todo amor, com toda coragem. Levantava às 5h, passava o café, fazia o beiju para eles e saía para tirar lenha”, relata.



    Fonte: Maryna Lacerda – Laura Tizzo – Fotos: Carlos Vieira/CB/D.A.Press – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.