• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

    #CLDF: Emendas em ritmo de festa

                         Ricardo Vale: "A função de fiscalizar a execução não é minha"

    Levantamento feito pelo Correio aponta que pelo menos 14 deputados distritais apresentaram propostas para eventos culturais, em um total de R$ 22,4 milhões. Principal suspeita é quanto aos preços pagos, muito mais altos que os valores de mercado

    Após dançar no plenário e ver a execução de suas emendas se tornarem alvo de investigação da Controladoria-Geral do Distrito Federal — por supostas irregularidades no apoio público a shows —, a deputada Luzia de Paula (Rede) prometeu continuar com indicações de recursos para a área. Ela não é a única. O Correio levantou como cada deputado pretende usar a verba a que tem direito e constatou que pelo menos 14 distritais apresentaram propostas de financiamento de eventos culturais (Veja quadro). Se o GDF cumprir a promessa e executar as emendas parlamentares, R$ 22,4 milhões serão empenhados — R$ 1,36 milhão de Luzia.

    O caso de Luzia chamou a atenção porque foram pagos preços muito acima do mercado na contratação de bandas — o mesmo ocorreu com Bispo Renato Andrade (PR). Não é possível, agora, prever se os recursos destinados para eventos dos outros deputados também serão usados com valores incompatíveis. Os valores, no entanto, saltam aos olhos. O distrital Raimundo Ribeiro (PSDB), por exemplo, indicou R$ 300 mil em apoio ao evento Recital Lírico, em Sobradinho, região administrada por indicado do tucano. Em Planaltina, onde dá as cartas, Agaciel Maia (PTC) apresentou R$ 900 mil para “apoio à realização de eventos culturais”.

    O campeão dos recursos para a área cultural é Ricardo Vale (PT). O petista indicou R$ 7,65 milhões, pouco menos da metade dos R$ 18 milhões a que cada deputado tem direito. Apesar das denúncias sobre o pagamento público de valores até cinco vezes maiores do que os praticados no meio privado, Vale não demonstra preocupação em como as emendas serão usadas. “A função de fiscalizar a execução não é minha. Propus emendas genéricas, nem sei para onde vão destinar”, afirma. “A Luzia tem que saber quanto o Zezinho vai ganhar no show? Aí é ocupar demais o deputado”, continua.

    Outro que pretende destinar milhões para festas é o deputado Lira (PHS). A exemplo dos colegas, ele também dá preferência ao curral eleitoral. Dos R$ 2,56 milhões indicados pelo parlamentar, R$ 860 mil são para eventos em São Sebastião. “Sou o presidente da Frente Parlamentar de Cultura Popular, quero trazer à luz do conhecimento os agentes culturais que estão esquecidos”, argumenta, antes de dizer que vai “fazer uma readequação das emendas”, assegura. Bispo Renato Andrade vai além. Apesar de ter indicado R$ 750 mil para “fomento cultural para as cidades do DF” neste ano, diz que vai “retirar tudo e colocar em obras”. O governo é obrigado a executar emendas apenas nas áreas de saúde, educação e obras de infraestrutura. Nos demais setores, o GDF tem a liberdade de acatar ou não.

    As fatias - Veja quanto cada deputado destinou para eventos culturais
    Distrital Valor
    *Ricardo Vale (PT) R$ 7,65 milhões
    *Lira (PHS) R$ 2,56 milhões
    *Cristiano Araújo (PTB) R$ 2 milhões
    *Agaciel Maia (PTC) R$ 1,8 milhão
    *Cláudio Abrantes (Rede) R$ 1,7 milhão
    *Luzia de Paula (Rede) R$ 1,36 milhão
    *Raimundo Ribeiro (PSDB) R$ 1,32 milhão
    *Chico Vigilante (PT) R$ 950 mil
    *Bispo Renato Andrade (PR) R$ 750 mil
    *Julio César (PRB) R$ 600 mil
    *Wasny de Roure (PT) R$ 500 mil
    *Joe Valle (Rede) R$ 450 mil
    *Telma Rufino (Sem partido) R$ 450 mil
    *Juarezão (PRTB) R$ 350 mil

    Cai chefe do Zoo
    O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) demitiu, na manhã de ontem, o diretor-presidente do Jardim Zoológico de Brasília, José Vieira. Após reportagem do Correio desta semana revelar problemas na gestão do órgão, o chefe do Executivo local decidiu trocar o comando da instituição. Na divisão de cargos do GDF, a chefia do Zoológico estava na cota do PDT. A ingerência política, no entanto, chegava a ponto de um militante da legenda sem vínculo com o órgão participar de reuniões internas e cobrar resultado de servidores efetivos. Ainda não foi decidido quem será o novo diretor-presidente do órgão.


    Fonte: Guilherme Pera - Matheus Teixeira -  Colaborou; Helena Mader - Foto: Guilhermino Junior/CB/D.A.Press - Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.