• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

    O mosquito contra o governo

    Para um governo que não sabe aonde ir, qualquer rumo que os fatos indicam e que a realidade impõe é tomado, desesperadamente, como direção a seguir. Abatida pela realidade, Dilma e seu longo séquito seguem erráticos. A situação atual do Executivo remete a obras de ficção tipo O incrível exército Brancaleone, de Mario Monicelli, de 1966. No filme, inspirado em Dom Quixote, de Cervantes, um pequeno exército de maltrapilhos, marcha pelo interior da Itália medieval lutando contra os muçulmanos, em meio à peste negra e à fome, que grassavam naquele período. O filme faz sátira aos costumes da época, desmantelando a ideia de que as armadas e cruzadas feudais eram conduzidas sob a bandeira de reais e santos propósitos.

    Da mesma forma, a Armata Rousseff segue sua cruzada contra os moinhos de vento de uma proposta de governo que se esgotou por fadiga de material e apoio da população. A artilharia do inimigo agora é composta por bilhões de mosquitos, que fazem também o papel de oposição ao Executivo, ameaçando desmanchar o castelo de areia do Planalto. Na foto, distribuída para toda a imprensa, aparece uma presidente com a cabeça tombada sobre o ombro, num gesto de desânimo e abatimento, ladeada pelo ministro da Saúde, já em processo de fritura e pelo espaçoso Jaques Wagner, da Casa Civil, e toda a numerosa equipe.

    Para um observador atento, a imagem da equipe ministerial, mobilizada e instigada a sair às ruas para combater o sarraceno Aedes aegypti é de desolação ante o avanço da tropa alada, que ameaça, inclusive, o último carro-chefe do governo, simbolizado pelos Jogos Olímpicos do Rio. A ordem estratégica é mandar a tropa de 20 ministros aos estados para um faxinaço no sábado.

    Nessa batalha, a exemplo do que ocorria no medievo europeu, a Igreja também foi convocada, com a missão de envolver e conscientizar a população na luta contra o odioso egípcio. Semelhanças à parte, o fato é que epidemias provocadas por seres minúsculos ou microscópicos, transmissores de doenças, já foram responsáveis pela dizimação de grandes e poderosos impérios, derrotando incríveis armadas ao matarem indiscriminadamente.

    A peste negra que varreu parte da Europa no fim da Idade Média é exemplo. Doenças, como a varíola, quase arruinaram o poderoso Império Romano no século 2 d.C. Mais recentemente, entre 1918 e 1919, aproximadamente 100 milhões de pessoas, 5% da população mundial, à época, foram mortas em decorrência da gripe espanhola, ocasionada pelo vírus influenza. Ao contrário do Exército Brancaleone de Dilma, o atual inimigo minúsculo é sério, determinado e se desenvolveu com a falta de saneamento básico.

    ******

    A frase que não foi pronunciada
    “Quando o cansaço de pagar impostos se juntar com o cansaço de não ter os serviços que a Constituição obriga o Estado a cumprir, daí ninguém vai mais segurar. Melhor prevenir.”
    (Contribuinte pensando com os seus botões)


    Por: Circe Cunha – Coluna - ”Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.