• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 29 de março de 2016

    Brasília na mira dos destruidores - (....alvo de todo tipo de ataque.)

    Uma cidade é, antes de tudo, um organismo vivo. É gerada a partir de um complexo planejamento tão ou mais sofisticado do que a própria vida orgânica. Uma cidade nasce, cresce, se expande e, não raro, entra em decadência e morre. Dessa forma, pode-se considerar que a construção de uma cidade é processo contínuo e que, praticamente, jamais se completa ou tem ponto final. No caso de cidade ou sítios tombados, essa mecânica segue modelo ou protocolo diferente. A área tombada pela Unesco em Brasília em 1987, abrangendo seu aspecto volumétrico, está restrita ao perímetro urbano do Plano Piloto. O que deveria ser comemorado como motivo de orgulho para toda a população, vem sendo, desde a emancipação política da capital, em 1988, alvo de todo tipo de ataque.

    De um lado, a especulação imobiliária, impulsionada pelo inchaço populacional da cidade, levou a pressões variadas — algumas, inclusive, criminosas — para alterar ou simplesmente desprezar o tombamento. Os argumentos para os ataques são, obviamente, falsos. Dizer que o tombamento engessa o crescimento da cidade e impede seu desenvolvimento não passa de retórica de gente que tem no horizonte apenas motivos financeiros próprios.

    O pior nesta polêmica toda é que aqueles que deveriam, até por função, proteger e lutar para a preservação do Plano Piloto no Livro do tombo da Unesco, são os primeiros a buscar a desfiguração do projeto original de Lucio Costa. A Câmara Legislativa, por diversas vezes, por incrível que isso possa parecer, tem voltado sua artilharia contra o tombamento da capital.

    As razões para este comportamento contraditório, já tratado neste espaço, se resume ao binômio um lote, um voto. De um lado, os corruptos, e, de outro, os corruptores loucos para efetivar o ganho. O verdadeiro festival de puxadinhos e remendos improvisados vão, pouco a pouco, tomando conta da cidade, não respeitando as áreas verdes, o comércio nem mesmo as residências.

    Todas essas modificações e improvisos são apoiados e incentivados por nossos representantes. A profusão paulatina de modificações ao projeto de Lucio Costa, em pouco tempo, tornará irreversível a ideia original, contaminando também a permanência da capital como patrimônio cultural da humanidade. Os arremedos de arquitetura vêm acontecendo numa sequência tal que, em poucos anos, Brasília terá o mesmo aspecto desarrumado comum à maioria das cidades brasileiras, onde o desrespeito à arquitetura e ao urbanismo é norma e segue a sanha de políticos de passagem.

    A diretora-presidente da Agefis, Bruna Pinheiro, anuncia que, até julho, amplo levantamento de intervenções irregulares será seguido de campanhas educativas no Plano Piloto. A partir dessa data, o órgão promete remover as construções irregulares que ferem o tombamento. Fechamentos de pilotis, grades e cercas não serão aceitos e  eles vão ser devidamente arrancadas, promete o órgão.


    Por: Circe Cunha – Coluna: “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto: Bento Viana 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.