• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 19 de março de 2016

    Motoristas do #Uber vão parar

    Protesto está marcado para em 28 de março, a partir das 6h, vai afetar o país inteiro, e deve ser mais forte em Brasília. Profissionais pedem a reformulação na taxa cobrada pela direção do aplicativo e o aumento do número de condutores no serviço

    Em meio à polêmica sobre a regulamentação do Uber em Brasília, motoristas do aplicativo, no país todo, cruzarão os braços no próximo dia 28. A categoria promete suspender as atividades por 24 horas em protesto à taxa cobrada pela empresa no preço das corridas e ao aumento de ingresso de novos profissionais. O plano é ficar offline do aplicativo a partir das 6h. Os condutores se concentrarão no estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha ao meio-dia.

    Também estão marcadas paralisações para o dia 25. Os protestos são organizados por grupos no WhatsApp. Em uma das mensagens, a categoria critica o Uber e convoca os motoristas a se mobilizarem pela causa. “É só um dia. Um dia de folga que você vai deixar de trabalhar 14 horas para obter R$ 100 a R$ 150, quiçá, R$ 200, se der muita sorte. Se a Uber tem 10 mil ‘parceiros’ no Brasil e fatura, em média, R$ 100 com cada um deles, eles faturam R$ 1 milhão por dia. São R$ 30 milhões por mês. Mais do que o dinheiro perdido, o fundamental é mostrarmos nossa indignação”, diz uma das mensagens.

    O serviço oferece duas categorias. No UberBlack, 20% do valor da corrida é destinado ao aplicativo, e no UberX, a porcentagem é de 25%. “Um dos motivos da paralisação é aumentar o nosso percentual de lucro. Outra reivindicação é o controle das novas ativações. A praça está de lotada de motoristas e o número de viagens diminuiu muito”, reclama um motorista, que não quis se identificar. Ele conta que tem um emprego fixo e faz as corridas somente aos fins de semana. “Quando está bom, eu consigo tirar até R$ 2 mil por mês. Mas tem gente que não tem outra fonte de renda. Só vive daquilo ali”, explica. Os profissionais também se queixam que, desde novembro, houve uma redução de 15% nas tarifas. “Depois da Blackfriday, o preço do quilômetro rodado caiu para R$ 1,25. Com o desconto do Uber, a gente passou a lucrar R$ 0,90 a cada quilômetro rodado. A gente praticamente paga para trabalhar”, lamenta outro entrevistado.

    O físico Danilo de Farias, 25 anos, é usuário do Uber e defende o aumento de motoristas. “Quanto mais motoristas na rua, menor o tempo que a gente espera. Pode ser ruim para eles, mas é melhor para o usuário”, avalia. Danilo usa o aplicativo, em média, três vezes por semana. Desde que vendeu o carro, há dois meses, o Uber tem sido a preferência na hora de escolher o transporte alternativo. “Para mim, é melhor meio de transporte particular no mercado”, define.

    Em Brasília, o Uber ainda não é regularizado. Para tornar-se legal, o assunto precisa passar por quatro comissões da Casa e depois ao plenário. Se for aprovado pelos deputados, o projeto será enviado para sanção do governador Rodrigo Rollemberg (PSB).

    Resposta
    Em nota, a direção do Uber não fala nada sobre punição a quem aderir ao movimento. Afirma que, com base em dados das mais de 400 cidades em que estão presentes, foi verificado que, ao reduzir os preços, houve aumento na demanda por carros. O aplicativo argumenta que, com isso, os motoristas parceiros fazem mais viagens e continuam gerando tanta renda quanto antes — chegando até a ganhar mais. A empresa ainda alega que o aumento na demanda significa que os parceiros passam a fazer mais viagens por hora e ficam menos tempo rodando entre uma viagem e outra.

    ****

    Preparem-se para a Hora do planeta


    » A Hora do Planeta, ato simbólico que demonstra a preocupação da sociedade com o aquecimento global, ocorre, simultaneamente, hoje, das 20h30 às 21h30, nos quatro cantos do mundo. Em Brasília, o evento ocorre no Setor Noroeste (foto), e conta com apoio do Correio Braziliense, Caixa Econômica Federal da Câmara Comunitária e da Associação de Moradores do bairro. A escolha do local deve-se à construção altamente planejada e ecologicamente correta aplicada no Noroeste. Tanto que, desde a sua inauguração, é considerado o único “bairro verde” do DF. Esta é a oitava edição d’A Hora do Planeta no Brasil. Aqui, a iniciativa é da WWF (World Wide Fund for Nature).


    Fonte: Bruno Lima – Especial para o Correio Braziliense – Fotos: Google – Breno Fortes/CB/D.A.Press

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.