• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 15 de março de 2016

    Trabalhadores partidos - (“Criar o futuro é um desafio até para os otimistas” )

    Lula chega ao fim de sua trajetória meteórica três décadas depois de alçar voo, percorrendo uma parábola perfeita, do chão ao céu e do céu de volta ao chão, onde corre agora o risco de voltar a ser pó. O número de filiados desapontados aumentou. Enfim, perceberam que foram usados para que Lula e toda a turma da cúpula pudesse lamber os dedos nos aposentos das elites. Era só isso o que procuravam.

    Apesar dos discursos veementes, de ter sido pontual contra as falcatruas, as prioridades da sociedade estão em desequilíbrio constante com as prioridades de Lula. Enquanto a reforma política não reorganizar a situação atual, a administração continuará ao relento, deteriorando-se a cada golpe do clientelismo, do corporativismo e da corrupção.

    Acontece uma revolução no Brasil. Uma revolução de mentalidade, cultura, participação. Sem isso nunca serão possíveis mudanças efetivas que extirpem de vez o câncer da corrupção. Obrigar a devolver o que foi roubado e punir exemplarmente os envolvidos, para que passem a pensar duas vezes antes que se rendam às propostas ilícitas.

    O tempo dirá como tudo ocorrerá. Como chefe do Executivo, Lula flanava pelos ares ajudado pelo bafo quente da turba de bajuladores que inflava seu balão. Ao público, dizia odiar as elites. À meia-luz, ceava com elas em saraus magníficos e se sentia no paraíso. Pelas elites foi usado como mais um despachante de luxo, alojado no 3º andar do Palácio do Planalto. Não ouviu o conselho de Barack Obama: “Livre-se dos bajuladores. Mantenha perto de você pessoas que te avisam quando você erra”.

    Se a oposição entendesse um pouco sobre as artimanhas do destino, saberia que foi bafejada pela sorte quando perdeu a última eleição para Dilma e seu partido em 2014. Ao se ver derrotada em 2014 para a chefia do Executivo, a oposição, sem querer, se livrou da maior e mais nefasta herança que um sucessor pode adquirir.

    Caso Aécio ou Marina assumisse a Presidência e se deparasse com a casa arrasada que havia por trás das portas do Palácio do Planalto, de nada adiantaria vir a público e reclamar do caos. Na eventual sagração da oposição, o Partido dos Trabalhadores espalharia, aos quatro ventos, que a ruína do país, agora escancarada, fora criação proposital dos oposicionistas para culpar os antecessores. A vitória da oposição a tornaria dona e fiadora do caos.

    Da mesma forma, mas em sentido oposto, se as hostes petistas pudessem prever o que viria a seguir à posse do segundo mandato de Dilma, cuidaria ou de apontar outra figura para concorrer ao pleito, ou forçaria a barra para perder as eleições e se livrar, em grande parte, da avalanche de escândalos e descalabros que deixaram para trás. Assim, por razões inversas, quis o destino ou algo sobrenatural que quem ganhou perdeu e quem perdeu ganhou sem saber.

    Ainda assim, na conta de chegar, somando e dividindo tudo, coube à população ficar com um baú abarrotado de infortúnios. Diferentemente do governo e de seus aliados, que, uma vez apeados do poder, se desmancharão no ar e não deixarão rastros. Restará apenas o prejuízo para a sociedade trabalhadora pagar. Será preciso retornar pelo mesmo caminho, recolher os cacos e, sobre os escombros deixados, reconstruir novamente o país.

     *****
    A frase que não foi pronunciada
    “Criar o futuro é um desafio até para os otimistas.”
    (Ulisses Guimarães, de onde estiver, pensando no Brasil)




    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.