• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 9 de abril de 2016

    A dança das cadeiras - (O esquema sofisticado, funcionava como relógio suíço ...)

    Com mais uma delação premiada, dessa vez feita pelos executivos da construtora Andrade Gutierrez e homologada agora pelo ministro do STF, Teori Zavascki, volta à baila, diante dos brasileiros, o longo desfile dos mesmos personagens de outras tramas, num rodopio de rostos que parece não ter mais fim. Como na brincadeira infantil, em que todos correm em torno de cadeiras que vão sendo retiradas uma a uma, deixando a cada rodada um elemento sem ter onde sentar, a convergência dos indícios, apresentados pelo andar das investigações da Operação Lava-Jato, vai desmontando cada um dos álibis forjados, empurrando os implicados para fora da farsa.

    O mantra repetido à exaustão de que todos os recursos de campanha foram legalmente registrados na Justiça Eleitoral perde eficácia, quando torna-se claro que até o TSE foi usado para lavar o dinheiro sujo oriundo das propinas. A cada rodada das investigações fica patente que os valores obtidos com as obras superfaturadas da Petrobras, do setor elétrico e dos estádios do Maracanã e Mané Garrincha foram drenados para as campanhas do PT e do PMDB, sendo que parte foi para os próprios diretórios desses partidos. O butim era democraticamente dividido ao meio.

    O esquema sofisticado, funcionava como relógio suíço, com cada engrenagem operando em sintonia com o conjunto e visando sempre o máximo resultado. A engenharia utilizada para a formação dos consórcios viciados que disputavam grandes obras públicas obedecia a um esquema criminoso preorquestrado, funcionando como empresa típica, com hierarquia e organogramas, nos quais cada um tinha uma função muito específica.

    Da secretária da construtora, passando pelos cobradores dos pixulecos até os arquitetos do esquema, todos tinham uma missão objetiva: dilapidar recursos públicos, quer em nome de uma ideia vaga de república ou de acordo com a ganância de cada um. O achaque velado era a tônica dos acordos tramados entre as equipes de campanha eleitoral e os empresários. Dada a amplitude oceânica das ilicitudes, era quase impossível aos empresários delatar o esquema.

    A cada delação firmada vai despontando, de um fundo nebuloso, rostos conhecidos e manjados em outras tramoias do gênero. Com as denúncias feitas agora pela Andrade Gutierrez, novamente se observa a presença na cena do crime de Erenice Guerra, braço direito de Dilma, Antônio Palocci e seu filho Palocinho, Edinho Silva, Bumlai, Flávio Caetano e outros devidamente nomeados. O que o país assiste, neste novo episódio saído do prelo da Justiça, é a dança bizarra das cabeças coroadas, com a boca na botija e a mão na cumbuca .

    ******

    A frase que foi pronunciada
    “Do atrito de duas pedras chispam faíscas; das faíscas vem o fogo; do fogo brota a luz.”
    (Victor Hugo)

    História
    “Como vêem, a nova capital é ainda uma menina. Daqui a um século, ou seja, vinte ou vinte e cinco anos — os séculos hoje se reduziram — se saberá se é, de fato, uma cidade onde se pode viver feliz, em paz e em harmonia, como eu queria e confiava.? De uma coisa apenas estou seguro: eu nunca o saberei”, declaração de Lucio Costa, publicada por Maria Elisa Costa


    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.