• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 9 de abril de 2016

    E o culpado é... o zelador?!? - ( ... transformaram a figura do mordomo em eterno suspeito.)

    Os romances policiais transformaram a figura do mordomo em eterno suspeito. 

    Tornou-se clichê: a culpa era sempre do personagem. Mas o escândalo que envolve o ex-presidente Lula como suposto proprietário oculto de um triplex à beira-mar no litoral paulista acaba de arrumar um vilão diferente para a trama: o zelador. Depois de depor e confirmar que testemunhou visita do presidente Lula, de dona Marisa e do dono de uma empreiteira ao imóvel, José Afonso Pinheiro foi demitido. Perdeu o emprego no edifício Solaris, no Guarujá, em São Paulo.

    “Foi pura política por causa daquele depoimento”, indignou-se José Affonso, em entrevista ao Estadão. E explicou: “Depois de eu ter dado o depoimento, a engenheira da OAS disse que eu tinha falado demais. O síndico mesmo disse que eu tinha falado demais. O pessoal deixa esfriar um pouquinho e acaba sobrando para a gente que é menos favorecido”.

    E ainda há quem caia na balela do tal “pai dos pobres”. A cada dia, os fatos tratam de desmentir o marketing petista. E o marqueteiro que angabelou milhões de brasileiros está preso em Curitiba. Daí por que a face lulista que vem à tona agora se assemelha mais à de um famoso personagem de Chico Anysio, o Justo Veríssimo, com o bordão que, até hoje, é a mais perfeita tradução do político sem escrúpulos: “Eu quero que pobre se exploda”.

    Afinal, sem educação nem saúde decentes, não há como sair da miséria. Era essa a intenção: cultivar quem recebe bolsa-família num curral eleitoral de 40 milhões de votos? Segundo o jurista Hélio Bicudo, José Dirceu lhe disse que a ideia era essa. Começava aí a decepção de Bicudo com o partido. Depois veio o mensalão, o petrolão — e a indignação do jurista se transformou no atual pedido de impeachment que hoje tramita no Congresso.

    Outro arroubo democrático de Lula é a conversa, de conhecimento público graças a um grampo autorizado pela Justiça, em que ele diz pro irmão Genival que haverá “um monte de peão” pra bater em quem ousar se manifestar contra ele na frente do prédio onde mora em São Bernardo do Campo (SP): “Se os coxinhas aparecer (sic), eles vão tomar tanta porrada que eles nem sabe o que vai acontecer”.

    “Coxinha” é como pseudopetistas tratam as pessoas que não ganham “acarajés”, camisa, bandeira, lanche ou transporte para ir às ruas defender o impeachment. Digo pseudopetista porque parte dessa turma nunca foi petista. A ideologia que os move é dinheiro. Muito dinheiro. Até mesmo roubado da Petrobras. É com o bolso cheio de grana que os bons companheiros alegremente passam o dia a engabelar trouxas postando sandices nas redes sociais. Muita gente — inocente útil ou desinformada — vai na onda e “curte”.


    Por: Plácido Fernandes Vieira – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.