• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 19 de abril de 2016

    Eduardo Cunha: "Um malvado favorito"

    Quaisquer que sejam as análises políticas após a decisão da Câmara dos Deputados de encaminhar o pedido de impeachment ao Senado, um fato é inconteste: o grande vitorioso nessa peleja — se isso é possível, em se tratando de uma crise sem precedentes —, foi o deputado e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha PMDB-RJ).

    A ele se devem as intrincadas articulações e todo o tipo de costura política que resultou no impedimento de dona Dilma. É certo que a empáfia da presidente, ao abrir uma frente contrária de dezenas de descontentes e humilhados, também ajudou.

    Ciente das imensas responsabilidades e dos perigos que lhe recaíam sobre os ombros, diante de um país cindido e de um adversário tenaz, o presidente da Câmara em momento algum alterou seu comportamento. Foi coerente do princípio ao fim das votações.

    A frieza do parlamentar, mesmo sendo atacado e difamado diversas vezes, diretamente em sua honra, não permitiu tirá-lo de seu objetivo maior: sepultar a carreira política da presidente Dilma e, por tabela, de seus seguidores.

    Para alcançar o que os adversários chamam de vingança, Eduardo Cunha se preparou com esmero, arquitetando a estratégia pacientemente, como uma aranha. Os conchavos de bastidores e as articulações que continuaram pela noite adentro aqui na capital, formam capítulo à parte desse episódio, armado com precisão de relojoeiro suíço.

    Fato notório também é que nenhum assessor próximo da dona Dilma, capaz de alertá-la para o imenso perigo que era ter Eduardo Cunha como inimigo, se iguala em expertise ao presidente da Câmara.

    O que se viu foi que seus adversários, na impossibilidade de lhe fazer frente no plano das ideias e das artimanhas engenhosas, partiram para o ataque pessoal (ad hominem) com xingamentos e outros impropérios, numa demonstração real e indefesa de desespero.

    Embora seja alvo de sérias denúncias e investigações na Polícia Federal e no Ministério Público, a ninguém é dado o direito de ofender o presidente da Câmara, seja por sua função na República, seja por se tratar de um ser humano.

    Nem mesmo a justiça e os tribunais mais rigorosos assacam ataques pessoais aos condenados à sua disposição. A verdade é que Eduardo Cunha, no que pese seus débitos para com a justiça, pode se colocar como aquele personagem, dentro dessa imensa trama, que praticamente sozinho derrubou uma camarilha que há mais de uma década vem infestando esse país.

    ***
    A frase que não foi pronunciada
    “Qual foi a dificuldade em entender a mentira? Foi ruim?”
    (Tiririca pensando em fazer a pergunta para Lula)


    Por: Circe Cunha – Coluna:”Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.