• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 26 de abril de 2016

    Muito além do jardim - (A boa ação, reconhecida e aplaudida por moradores da cidade de Águas Claras)

    O carioca tomou gosto pela jardinagem aos 10 anos, quando veio morar em Brasília, em 1973

    O servidor público Gerardo Araújo começou a cuidar das plantas de seu bloco em Águas Claras, mas logo passou a dedicar-se elas também nas redondezas
    Gerardo Araújo de Lima, 53 anos, conhece Águas Claras como poucos moradores da região. O servidor público desembarcou por lá há 19 anos e, desde então, acompanhou o crescimento da cidade.Enquanto isso, alimentou um desejo especial: o de manter parte da cidade enfeitada com plantas e árvores.

    Gerardo é um genuíno carioca, desses que trazem um sotaque carregado e inconfundível. No porta-malas do carro, traz sempre um verdadeiro arsenal verde: regadores, pás e tesouras de jardinagem. Sujos de terra, os objetos entregam a paixão pela natureza que ocupa quase todo o seu tempo livre.Vivendo na quadra 202 de Águas Claras, ele recolhe plantas descartadas por moradores da região. Também cultiva e compra mudas de árvores e plantas. Sem auxílio algum, encarrega-se de plantar tudo nas redondezas do prédio onde vive.

    A boa ação, reconhecida e aplaudida por moradores da cidade, não fica apenas no primeiro passo. “Eu planto e cuido da manutenção de cada árvore. Não quero prejudicar a cidade, mas ajudar. Por isso, rego e podo constantemente”, conta. E tudo ocorre sem hora marcada. Por isso, confessa ter levado puxões de orelha da mulher dele. “Sempre que posso, uso minhas horas vagas para isso. Muitas vezes aproveito o horário de almoço e até mesmo a madrugada. Minha família vai atrás de mim e, se não me acha, já sabe onde estou”, diz.

    Ele faz tudo por amor à natureza e, acima de tudo, por acreditar que o crescimento desenfreado de qualquer cidade pode ser prejudicial para o próprio homem. Por viver em Águas Claras desde o comecinho, sente falta dos velhos tempos — quando a região respirava ar puro e se mantinha sob a sombra das árvores. “A cidade cresceu muito e extrapolou os padrões. A previsão de construir prédios com até 12 andares se modificou totalmente. Hoje, temos prédios com mais de 20 andares e não há tanta preocupação com a perpetuação do verde”, acredita.

    Para todos
    No canto onde vive, sozinho, Gerardo já plantou de quase tudo. Tem ipê-rosa, amoreira, pitangueira e até cerejeira. Para ele, essa contribuição voluntária traduz um desejo da comunidade. “Eu não planto para mim, mas para todos que moram aqui. Acredito que trazer plantas como essas para cá é, também, possibilitar que crianças conheçam e acompanhem o desenvolvimento de espécies pouco vistas. Quero que elas tomem gosto por isso”, explica.

    E essa paixão pela natureza nasceu bem cedo, quando o carioca tinha apenas 10 anos. Curioso, nunca estudou jardinagem, mas tinha interesses incomuns a crianças desta idade. Em 1973 veio para Brasília com a família, acompanhando a mãe, que precisava trabalhar. Chegando aqui, foi morar na 312 Sul, num prédio cujas varandas eram cercadas por jardineiras — locais adaptados para receber plantas e, assim, decorar os apartamentos. Ali, começou a se dedicar a uma nova diversão: o plantio de mudas.

    Para passar o tempo, pediu o auxílio da mãe e resolveu começar o cultivo de uma horta. “Quanto mais eu plantava, mais gostava de fazer isso. Quando as plantas ficavam muito grandes, eu as colocava no gramado da quadra”, recorda. Anos depois dessa experiência inicial, casou-se e foi morar em um dos primeiros edifícios de Águas Claras. Por coincidência, não havia jardineiro no condomínio. “Resolvi a ornamentar a área comum do meu prédio e o fiz até que um profissional foi contratado. Só depois disso, passei a plantar na praça”. No futuro, deseja continuar com a ação. “Se depender de mim, quero plantar em outros lugares, em áreas que estão vazias”, vislumbra.

    "Eu não planto para mim, mas para todos que moram aqui. Acredito que trazer plantas como essas para cá é, também, possibilitar que crianças conheçam e acompanhem o desenvolvimento de espécies pouco vistas. Quero que elas tomem gosto por isso"



    Fonte: Correio Braziliense – Fotos: Breno Fortes/CB/D.A.Press- Correio Braziliense



    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.