• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 10 de abril de 2016

    #TRADIÇÃO » 50 anos de amigos, subversão e cerveja - Viva ao "Velho Beirute"

    Chiquinho (ao centro) com seus funcionários. Abaixo, o hoje mais antigo garçom da casa, Primo, se espelha no velho Cícero

    No próximo sábado, Brasília e Beirute celebram bodas de ouro de uma união em que cidade e bar se confundem em uma mesma história
    Foliões do Pacotão ensaiam para a saída do mais tradicional bloco de carnaval de Brasília, em 2006
    Ao receberem a notícia do fim da ditadura militar, frequentadores se dão as mãos para cantar o Hino nacional
    As 70 mesas são as mesmas desde a inauguração. Feitas de madeira de ipê e superfície de fórmica e fixadas no chão pelo próprio peso, elas fazem parte do cenário que se tornou um dos símbolos da capital. Há 50 anos, o Beirute recebe de braços abertos todos que queiram almoçar um bom filé à parmegiana ou tomar uma cerveja gelada depois do trabalho. O cardápio pouco mudou. Numa noite movimentada de quinta-feira, os garçons, com seus característicos blazers vermelhos de lapela preta, levam de um lado para o outro as bandejas prateadas com porções de especiarias árabes. Aliás, foram eles que ajudaram a criar a aura folclórica de um dos mais tradicionais bares da cidade. É difícil descobrir quem é o mais antigo na empresa.

    Em uma roda de funcionários, eles começam a fazer os cálculos. Puxam pela memória para descobrir quem chegou primeiro e, no fim, parecem não ter certeza da resposta. Grande parte tem mais de 20 anos de casa. Com eles, não tem essa história de “camarada”, “patrão”, “amigo”. Eles sabem o nome dos clientes e também são chamados pelos nomes.

    Todos esses ingredientes dão forma à principal característica do Beirute: a tradição. O pioneirismo está estampado em fotos e recortes de jornais colados na parede; na escada estreita que dá acesso aos banheiros, complicada de subir e descer após alguns drinques; ou na mesa mais charmosa, carinhosamente batizada de Dolores Duran.

    A meia-idade, celebrada no próximo sábado, parece não lhe ter feito perder o fôlego. Mas os tempos são outros. A efervescente geração dos anos 1970 e 1980, que cresceu sob as rédeas curtas da ditadura militar, não provoca mais nas autoridades o receio de que o bar da esquina da 109 Sul seja um antro de conspiração de intelectuais, estudantes e artistas a serviço da subversão. Mesmo assim, ainda guarda ares de aceitação das pequenas contravenções.

    Prestes a completar 50 anos, o Beirute parece ter muito tempo de vida e muitas histórias para contar. Virou livro. Lançou a própria cerveja. Foi cenário de filmes. Sua trajetória se confunde com a história de Brasília. Por lá passaram artistas como Rita Lee, Renato Russo e Cássia Eller. Alceu Valença escreveu a declaração Te amo, Brasília em uma das mesas do bar. Caetano Veloso até deu uma palinha de Coração vagabundo, dedilhando um violão emprestado por uma moradora da quadra.

    Em 1984, com a notícia do fim do regime militar, o Hino nacional foi cantado de mãos dadas a plenos pulmões. José Sarney recebeu aplausos quando passou em frente ao prédio com as janelas do carro presidencial abertas. Chegou a acenar para os boêmios.

    Os momentos históricos são contados com nostalgia por clientes que testemunharam as mudanças ocorridas no país nos últimos 50 anos. A impressão é que todos os moradores de Brasília têm alguma lembrança para compartilhar sobre as noitadas vividas no Beira. Mesmo quem não participou das algazarras homéricas nos tempos áureos do Beirute sabe que, por ali, 50 anos parecem não ser suficientes para abrigar tanta história.
    Fachada do velho Beira em 1975: quase nenhuma mudança na estrutura física ao longo de cinco décadas
    O mais icônico garçom do Beira, Cícero, que se aposentou no ano passado, festeja 25 anos de casa em 2007

    Tempo de celebrar
    No próximo dia 16, serão comemoradas as bodas de ouro de Brasília com o seu bar mais tradicional. E, certamente, a figura mais importante dessa celebração é o cearense Francisco Marinho, 79 anos. Seu Chiquinho chegou a Brasília em 1968 — dois anos após uma dupla de imigrantes libaneses ter inaugurado o Beirute. Ao lado dos irmãos Bartolomeu e Aluísio, começou a trabalhar como garçom no bar que viria a comprar em 1970. “Naquela época, a casa estava um pouco caída porque tinham inaugurado o Arabeske, um concorrente daqui. Eu e meus irmãos juntamos um dinheirinho, conseguimos um empréstimo e fizemos a proposta ao dono, que era nosso patrão. Daí, começou a propaganda em toda a cidade: muita gente começou a vir aqui para conhecer o bar que tinha sido comprado pelos garçons.”

    Em 1999, a família beirutiana sofreu uma perda que abalou os negócios da família. O irmão e sócio Bartolomeu Frota Marinho morreu, aos 58 anos, vítima de um câncer no pulmão. A perda de Bartô foi um dos momentos mais difíceis da trajetória do lugar. “A morte dele me surpreendeu muito. Poderia ter sido eu. Mas eu botei na cabeça que a vida é isso mesmo. É passageira. Cheguei à conclusão que o barco devia continuar navegando”, reflete Chiquinho.

    Após a morte de Bartô, Aluísio voltou para o Ceará e Chiquinho assumiu sozinho o comando do Beira. Hoje, pai de três filhos e avô de quatro netos, ele começa a abrir mão de estar à frente dos negócios para dar mais espaço aos herdeiros. Mesmo assim, nem cogita tirar o time de campo tão cedo. “Eu aprendi com a minha falecida avó, que foi quem me criou, que quem fica parado termina morfando. Eu até tiro uns dias de folga, mas vou continuar lutando por esse caminho que Deus me deu.”

    Francisco Emílio Marinho, 38, filho mais novo de Chiquinho, conta que as lembranças mais marcantes da infância estão ligadas ao Beirute. “Sempre que tinha algum evento na escola, caía para nós levarmos o quibe. Fim de semana, sempre vínhamos para cá comer filé à parmegiana”, lembra. Ele, o irmão Marcelo e o primo Célio, filho de Bartô, dividem responsabilidades na direção do bar. Em 2007, os três abriram uma filial na Asa Norte. “A gente tem projetos, mas, acima de tudo, focados no trabalho. Oportunidades surgem, e projetos estão sempre sendo discutidos.”

    Para Emílio, o Beirute resume bem o mosaico cultural que é Brasília e, por isso, o bar foi adotado pela capital como um símbolo. “O Beirute é um ícone da cidade. Ele representa como Brasília foi formada: uma mistura de cultura de pessoas de lugares diferentes. Essa cidade precisa de uma sala de estar e essa sala é o Beirute. Ele agrega isso de uma forma muito viva.”

    Os donos do blazer vermelho
    No início da década de 1980, os primeiros blazers vermelhos começaram a ser entregues aos garçons do Beirute. Com as calças e a gravata-borboleta pretas, o uniforme se tornou uma marca registrada da trupe de funcionários. Em 2014, quando o argentino Lionel Messi compareceu à premiação de melhor jogador do mundo com um blazer vermelho, a comparação foi inevitável. Os famosos memes tomaram conta das redes e a brincadeira durou dias.

    Mas o traje é só um detalhe no que mais chama a atenção no serviço dos garçons. Quase todos têm mais de 20 anos de casa, e são chamados pelo nome pela freguesia. Um dos mais icônicos carregou as bandejas do Beirute por 28 anos e terminou adotando o nome do estabelecimento. “Todo mundo me conhece por Cícero Beirute. O Beirute é praticamente a minha casa. Quando cheguei a Brasília, fui direto trabalhar lá”, conta o paraibano Cícero Rodrigues dos Santos, 66. Aposentado desde julho do ano passado, ele lamenta não poder participar da comemoração dos 50 anos do bar que faz parte de sua vida. “Eu sinto saudade dos meus amigos, companheiros que fiz lá, dos clientes, da direção da casa. Eu saí do Beirute, mas o Beirute não saiu de mim.”

    Cícero deixou o status de garçom mais velho do Beira para o conterrâneo José Fernandes, 49, conhecido como Primo. Ele começou a trabalhar no local como balconista, mas, depois de algum tempo, virou garçom e não largou mais a bandeja. “Eu gosto muito de trabalhar aqui. Para mim, é um prazer estar todas as noites servindo os clientes. A gente termina virando amigo deles”, pondera.

    Há 27 anos usando o típico uniforme, ele se espelha no ex-colega, que recebeu o título de cidadão honorário na Câmara Legislativa, em 2007. “Eu aprendi muito com o Cícero e pretendo chegar ao fim da minha carreira igual a ele. Com muita honra do meu trabalho”, planeja.

    O bar em números


    53 
    funcionários

    1.200 
    clientes por dia

    540 
    refeições no domingo 

    190 
    Beiras Bier consumidas em uma sexta à noite



    Fonte: Bruno Lima - Especial para o Correio – Fotos: Carlos Vieira/CB/D.A.Press – Varella/CB/D.A.Press – F.Gualberto/CB/D.A.Press – Joaquim Firmino/CB/D.A.Press – Gustavo Moreno/CB/D.A.Press - Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.