• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 5 de maio de 2016

    #CONQUISTA » da Cidade Estrutural - DF > para Roma

                 Arthur toca violino; Damon, violoncelo: dois meses estudando em Roma

    "Professores do Instituto Reciclando Sons, jovens vão para a Itália como bolsistas de uma das mais renomadas academias do mundo"

    Um dia antes de embarcar para São Paulo, a ansiedade toma conta de Damon Eric Pacheco, 19 anos, e Arthur Douglas dos Anjos, 23. Os jovens, do Instituto Reciclando Sons (IRS), seguem amanhã até a capital paulista para receber, oficialmente, uma bolsa de estudos de música clássica. Mas o destino final dessa viagem é Roma, capital da Itália, onde eles vão morar por dois meses para estudar e aperfeiçoar técnicas e habilidades instrumentais na Orquestra da Accademia Nazionale di Santa Cecilia. Fundada em 1585, a instituição é uma das mais antigas do mundo.
    Arthur e Damon, hoje, são educadores sociais do IRS, mas já foram alunos. Reconhecido nacionalmente, o instituto, sediado na Estrutural, ganhou, em 2013, o prêmio Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil, ao concorrer com mais de mil entidades de todo o país. O envolvimento com a comunidade e a certificação como Tecnologia Social qualificaram a organização para receber as bolsas. Ao preencher todos os pré-requisitos, os rapazes foram escolhidos para embarcar para a Itália.

    Damon participa do instituto desde 2014 e conheceu o grupo por meio de colegas da escola. Entrou como aluno de violino. Hoje, toca violoncelo e também é professor na organização. O violoncelista ainda não acredita na oportunidade que conquistou. “É uma mistura de várias emoções ao mesmo tempo. Estou feliz, nervoso e minha ficha ainda não caiu.”

    Já o violonista Arthur começou a praticar italiano por aplicativos de celular enquanto aguarda a aula intensiva do idioma, que vai fazer um mês antes do intercâmbio, previsto para outubro. Desde criança, o jovem foi incentivado pelo pai, que toca violão e canta. Atualmente, a música é uma paixão e a primeira opção para o futuro. “Estou fazendo licenciatura em música. Quero compartilhar tudo o que eu sei e ver outros alunos evoluindo.”

    Entre as atividades previstas no intercâmbio, estão cursar aulas individuais e assistir às provas e aos concertos da orquestra sinfônica. Além de estudar, os musicistas vão morar em casas de família, onde poderão vivenciar a cultura da cidade. Arthur acredita que se adaptará rápido. “Não conheço muito a cultura italiana, mas estou pronto para absorvê-la.”

    O objetivo do intercâmbio é semelhante para os dois. Tanto Arthur quanto Damon pretendem trazer o conhecimento adquirido em Roma para a Cidade Estrutural. Damon quer usar as novas aprendizagens no dia a dia, como educador. Já Arthur acredita que o IRS vai ganhar reconhecimento internacional. “Além de trazer a tecnologia para cá, isso vai abrir portas para outros alunos do instituto e, quem sabe, até uma parceria”, espera ansioso.

    Reciclando sons
    Criado em 2001, o Instituto Reciclando Sons nasceu do sonho da musicista Rejane Pacheco, 38 anos, em transformar a música em instrumento de inclusão social. A dificuldade do acesso das classes menos favorecidas à música clássica motivou a maestrina a criar o grupo, que começou com 22 crianças. “Eu seguia carreira profissional e notava que era uma área muito elitista. Mas sempre acreditei que a música era um instrumento de inclusão. E investi nisso.”

    O instituto faz 15 anos em agosto e já atendeu cerca de 2.500 crianças. O programa educacional vai desde a iniciação musical até a formação profissionalizante. A metologia adotada se divide em três módulos (veja quadro). “Nosso objetivo é nos tornarmos um centro de referência na formação de educadores sociais.”

    A metodologia
    Dividida em três módulos, a metodologia de ensino do instituto é adaptada à realidade dos alunos e visa, no fim, formar músicos capacitados para o mercado de trabalho. O projeto é dividido em três formações: cultural, educacional e profissionalizante.

    1º módulo — Formação cultural
    No primeiro contato com a música clássica, o aluno tem uma formação básica, teórica. Nela, são ministradas oficinas de coral, teoria musical e instrumentos de orquestra, como violino e violoncelo, num único dia da semana.

    2º módulo — Formação educacional
    É chamada de Projeto Notas & Canções. As oficinas ministradas são as mesmas do 1º módulo, porém cada uma delas ocorre em um dia da semana, ou seja, os alunos estudam quatro vezes por semana.

    3º módulo — Formação profissionalizante
    A formação final tem como objetivo graduar profissionais que sejam reconhecidos pelo mercado de trabalho como músicos empreendedores e educadores sociais. Os alunos realizam um curso preparatório para a obtenção da carteira da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB). Todos os alunos dessa formação se integram à Orquestra Jovem Reciclando Sons, na qual recebem cachê nas apresentações pagas, o que possibilita aos alunos gerarem renda para as famílias.


    Fonte: Correio Braziliense – Foto: Carlos Vieira/CB/D.A.Press 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.