• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 18 de maio de 2016

    Geração Brasília - (há três questões que preocupam)

    A crise econômica, a crise política e a crise ética nos soterram, a cada instante, com uma avalanche de acontecimentos. Mas, de vez em quando, se acende um sinal de alerta sobre os problemas do nosso quintal brasiliense. Confesso que há três questões que me preocupam: as situações da Aruc, da Escola de Música de Brasília e da Fundação Athos Bulcão.

    Aquele chão da Aruc é sagrado, assisti no terreiro da escola do Cruzeiro a shows memoráveis com Zé Keti, Xangô da Mangueira e Dona Ivone Lara. Batizada por esses mestres, a semente do samba só poderia germinar e irradiar, mesmo no terreno inóspito da capital modernista. Renata Jambeiro, Breno Alves, Vinicius de Oliveira, Mac Clay, entre outros novos talentos, brilham em plena Lapa, o templo do samba no Rio de Janeiro. Se isso ocorre, é graças ao legado da Aruc (Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro), criada por funcionários públicos cariocas, transferidos para Brasília, com saudade das batucadas.

    Dizer que é um músico de Brasília tornou-se quase que um selo de qualidade para quem se aventura pelo mercado do Rio ou de São Paulo. E isso se deve, em grande parte, ao trabalho da Escola de Música de Brasília. De maneira semelhante, em algum momento, a história da cidade se entrelaçou com a da EMB. É uma escola pública, qualquer garota ou garoto de talento pode estudar lá. No entanto, de descaso em descaso, ao longo de sucessivos governos, o projeto da EMB se esfacelou e a instituição se viu ameaçada pelo sucateamento e pela especulação imobiliária.

    O caso de Athos Bulcão é um dos mais absurdos. O arquiteto e parceiro Lelé Filgueiras ressalta que Athos Bulcão é uma figura exemplar nas artes plásticas não só no Brasil, mas no mundo. Nenhum artista integrou de forma tão profunda a sua arte na arquitetura. Apesar das propostas de Fernand Léger e de Mondrian nesse sentido, depois do advento da arquitetura moderna, isso só aconteceu com abrangência pelas mãos de Athos Bulcão: “Athos não é somente um artista de Brasília; é um artista universal”.

    Em que pesem a obviedade escandalosa da excelência e o fato de ter dedicado a vida à cidade, a Fundação que abriga e divulga a obra de Athos não tem uma sede própria. O arquiteto e parceiro Lelé Filgueiras desenhou um belíssimo projeto, que já foi detalhado, mas permanece emperrado nas gavetas da burocracia estatal.

    A geração de Brasília do governador Rodrigo Rollemberg; do secretário de Cultura, Guilherme Reis; do secretário de Gestão de Território, Thiago de Andrade; entre outros, tem plena consciência do valor desses personagens e instituições. Uma cidade nova e artificial não sobrevive sem instituições sólidas. O chorinho só se desenvolveu e se consolidou como referência nacional graças ao visionarismo de Reco do Bandolim, que criou a Escola de Choro Raphael Rabello.

    Os especuladores imobiliários estão de olho nos terrenos da Aruc e da EMB. Ao longo de décadas, a cidade foi vítima de demagogos, ignaros, corruptos e ineptos. Bem sei que os governos são atropelados por problemas a cada instante. Mas trata-se de uma oportunidade única de regularizar a situação das sedes dessas três instituições. Brasília não pode ser reduzida a mero cenário para um faroeste caboclo. Se a geração Brasília, se a geração que ama realmente Brasília, não fizer isso, quem fará?


    Por: Severino Francisco – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.