• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 29 de maio de 2016

    Ponto a ponto- Secretário de Saúde do DF Humberto Fonseca - (... quero ficar até o fim)

    “Quero ficar até o fim”

    Às vésperas de completar três meses no cargo, o secretário de Saúde,  Humberto Fonseca, foi à Câmara Legislativa fazer um balanço de seu início de gestão. Leia alguns trechos de seu pronunciamento na Câmara.

    Falta de apoio do servidor
    Nossa gestão precisa ser transparente e ter sempre diálogo. Mas preciso fazer um desagravo à gestão do Distrito Federal. Sou médico de família, fiz medicina aqui, na Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS), fiz residência em Sobradinho e no Hospital de Apoio, sou médico da Secretaria de Saúde, sou servidor público há 16 anos, então eu sou colega dos servidores da saúde. Quando eu ouço críticas à gestão, que são genéricas, como se estivéssemos fazendo algo para prejudicar a população, como se não tivéssemos dando o nosso máximo para dar saúde de qualidade à população, isso me indigna. Nós trabalhamos dia e noite, sábados e domingos, não tem ninguém nessa gestão que não está fora de sua zona de conforto, trabalhando com angústia em relação à saúde do DF e procurando acertar, e acertando na maioria das coisas. Os serviços têm funcionado.

    Gestão
    Temos diversos problemas, trabalhamos com muita dificuldade, sim. Não adianta falar que falta gestão, que tem recurso, que tem gente. Não tem. Estamos trabalhando com o que há. Estamos procurando fazer o melhor com o que há e isso não é fácil. Na hora em que fecham uma pediatria e eu publico uma portaria mandando os pediatras que estão nos centros de saúde para os hospitais, vem resistência de todos os tipos e de todos os lados. Fazer gestão é difícil porque precisamos mobilizar as pessoas, esperar que todos se engajem. O servidor é engajado, quer o melhor, e precisa de estrutura. Mas, para isso, precisamos de apoio. Precisamos que usuários, conselhos de saúde, Câmara Legislativa e sindicatos entendam que são parte da solução. Essa gestão está moralizando o funcionamento da Secretaria de Saúde. Estamos fazendo as licitações, os contratos onde antes não havia, tenho visitado regularmente os órgãos de controle, como o Tribunal de Contas e o Ministério Público. Tenho contado com a parceria dessas instituições para fazer direito. Fazer gestão requer coragem, inteligência, participação, mas também apoio. Temos boas ideias e queremos implementá-las. Não se corrige 20 anos de erros em dois ou três meses. Temos que ter uma política que parta da melhoria da gestão, mas que não necessite de investimento (dinheiro). Temos dificuldades e vamos enfrentá-las com altivez, coragem e honestidade.

    Licitações
    Fizemos uma licitação que não era feita há 13 anos, que é a nossa maior contratação: a de alimentação. Queremos obter valores melhores para os nossos contratos porque não temos orçamento para desperdiçar. Estamos fazendo os contratos e contrariando muitos interesses políticos e econômicos que mandavam na saúde antes. Temos conseguido fazer os contratos de manutenção (dos equipamentos). Quando assumimos a gestão, 100 medicamentos estavam em falta, hoje são cerca de 30 e as dificuldades são dos fornecedores de entregar. Fiz vários contratos de manutenção preventiva. Consertamos o tomógrafo do Hospital de Base. Fizemos o contrato dos ventiladores das UTIs para que não fique nenhum leito fechado por falta de ventilação. Temos conseguido avanços.

    Organizações sociais
    Não há nenhuma intenção em terceirizar a saúde. Isso ainda será discutido. As pessoas confundem terceirização e privatização. Queremos um SUS (Sistema Único de Saúde) 100% público, sim. Mas precisamos de novas ferramentas de gestão. Não há condições de fazer mais do mesmo. Precisamos de novos mecanismos para dar saúde à população.

    Médicos
    A saúde é muito centrada na figura do médico e isso não é bom. Há escassez de todos os profissionais, mas a do médico é grande. Há uma série de resistências à descentralização da competência desse profissional. Queremos que a equipe inteira trabalhe e avance na estratégia de Saúde da Família. Nosso desejo é que cada pessoa saiba quem é seu médico, seu enfermeiro, onde pode ser atendido e que quando ele precisar de atendimento naquele dia, ele vá lá e consiga. Com isso, vamos conseguir esvaziar as emergências.

    UPAS
    As Upas são a retaguarda da atenção primária. Só que foram construídas sem planejamento. Não havia pessoas para trabalhar, então usaram horas extras e contratos temporários. Depois, a Justiça disse que não se poderia mais fazer isso. Precisamos reabastecer de pessoal as Upas e temos dificuldades para isso.

    Lei de Responsabilidade Fiscal
    Como governo, temos que cumprir a lei. Vamos agir com responsabilidade e não vamos gastar mais do que a lei nos permite e que o estado arrecada. Isso foi feito antes e é por isso que estamos na situação de agora. Temos que fazer planejamento com o que temos e buscar novas fontes de financiamento.

    CPI da Saúde
    Nós estamos à disposição. Essa secretaria tem agido com transparência. Hoje, a gente publica o faturamento das unidades no site. Temos agido com transparência com os usuários, com os sindicatos e com a imprensa. Não escondemos nada. Reconhecemos as dificuldades que existem da saúde e procuramos dar as respostas. Temos dificuldades sim, mas queremos melhorar, queremos saúde de qualidade e precisamos de apoio.

    Atenção primária
    Eu quero que as pessoas sejam atendidas nos postos de saúde, mas como eu vou fazer isso com uma cobertura da atenção primária de 30%? Com os outros 70%, eu faço o quê? A atenção primária que se faz no DF não é a melhor porque não houve estratégia. Esse processo da atenção primária regular todo o acesso à rede demora. É algo que precisa ser construído. Não podemos, neste momento, fechar leito de internação e UTI, fechar porta de hospital, para atender demanda dos postos de saúde. Vamos, sim, fortalecer a atenção primária. Não há condições de trabalharmos com esse deficit de pessoal.

    Troca de secretários
    Sou o terceiro secretário, mas eu quero ficar até o fim. Não vou desistir. Tenho na minha cabeça que essa é uma missão e eu trouxe um monte de gente boa para me ajudar. São todos servidores, não há ninguém que veio de fora. E queremos também ser respeitados como servidores e como pessoas que querem o melhor para a saúde. Sempre estou disposto a discutir tecnicamente, intelectualmente e com honestidade qualquer coisa.


    Fonte: Correio Braziliense – Foto: Antonio Cunha/CB/D.A.Press

    Um comentário:

    1. A partir do momento que o atual secretário deixa subtendido sua defesa ao modelo de terceirizações através de Organizações ditas Sociais (OS’s), em minha opinião todo restante de seu discurso perde a funcionalidade... Organizações Sociais já demonstraram na prática, tanto aqui no DF, quanto em outras capitais brasileiras, que são imensos esquemas de corrupções, não se propõem realmente a melhorar a saúde, só quem ganha com esse modelo é os políticos e empresários corruptos conchavados!

      ResponderExcluir

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.