• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 19 de junho de 2016

    ENTREVISTA: RODRIGO ROLLEMBERG » "Precisamos de ajuda"

    Governador do Distrito Federal afirma que estados necessitam de socorro da União para a renegociação das dívidas

    Diante da situação financeira do Rio de Janeiro (leia mais na página 7), com decretação de estado de calamidade pública, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), alerta para a necessidade de renegociação das dívidas dos estados e agilização de repasses devidos pela União. Amanhã, Rollemberg se reúne, em Águas Claras, com governadores para elaborar uma pauta de reivindicação geral. 

    “Precisamos também tratar as questões específicas de cada um.”

    Rollemberg, que enfrentou várias greves e chegou a atrasar o salário de servidores, diz que, sem a ajuda financeira da União, a situação é bastante arriscada. “Não temos mais margem para corte. O cenário é de instabilidade e de incertezas. Vamos ter um fim de ano muito difícil. Vamos precisar de suplementação orçamentária, na Saúde, por exemplo. Nós precisamos de ajuda do governo federal.”
    Mas então, nessa disputa, serviços essenciais prestados pelo Estado serão comprometidos. 
    O cenário é de instabilidade e de incertezas. A gente não sabe como vai se comportar a arrecadação nos próximos meses. Vamos ter um fim de ano muito difícil. Vamos precisar de suplementação orçamentária, na Saúde, por exemplo. Nós precisamos de ajuda do governo federal também. Todos os estados devem ter uma pauta comum e uma diferenciada.

    Até que ponto o socorro ao Rio, a partir da decretação de calamidade  pública, pode comprometer a renegociação com outros estados endividados?
    Nós reconhecemos que o Rio de Janeiro, de fato, enfrenta uma situação muito difícil. É evidente que precisa de uma atenção especial. Mas é fundamental compreender que todos os estados estão numa situação muito difícil e que, em alguma medida, todos eles precisam de ajuda. É fundamental que tenham algumas medidas que possam contemplar o conjunto dos estados.

    Que medidas?
    A renegociação das dívidas, do ponto de vista de reduzir o estoque da dívida. É preciso uma carência para o pagamento. Alongar é importante, mas ela é muito mais importante para alguns estados, a exemplo do Rio, Rio Grande do Sul e São Paulo, do que para outros que não têm dívidas. Os estados que não se endividaram bastante não podem ser penalizados. Mas esses estados hoje também estão numa situação financeira muito difícil.

    O Planalto planejava uma negociação de maneira genérica, com todos os estados. O senhor defende que seja negociado caso a caso ou uma pauta geral?
    É preciso ter um aspecto geral na negociação que atenda a todos, mas precisamos de medidas específicas para o conjunto de governadores. Em Brasília, por exemplo, temos uma situação muito difícil. Comprometimento da receita com pessoal, temos o fechamento do ano muito difícil e a renegociação da dívida é muito pequena. Juntando a dívida da União com o BNDES, nós pagamos R$ 13 milhões por mês. Tem estado que paga R$ 200 ou R$ 300 milhões. Agora, nós temos para receber da União, por exemplo, R$ 724 milhões de compensação previdenciária. É claro que a gente quer, em algum momento, receber isso de forma parcelada. Outra coisa: todos os estados querem que entre na renegociação da dívida o BNDES e me parece que, em relação aos empréstimos do BNDES, o governo está disposto a fazer isso. Com uma carência e com um alongamento. Há um grupo de estados, por exemplo, que têm dívidas em relação à Copa do Mundo de 2014. Aí já é outro conjunto.

    A situação deflagrada pelo Rio de Janeiro pode provocar um efeito cascata? Esse é o grande temor do governo federal?
    Entendo que o Rio está, sem nenhuma dúvida, numa situação mais grave. O Rio foi muito penalizado com a redução do preço do petróleo. O que é fundamental é que o governo federal se adiante e tenha iniciativa no sentido de ajudar os estados para evitar uma situação caótica. A ajuda do governo, neste momento, pode melhorar o ambiente econômico e, consequentemente, melhorar o ambiente político. Estamos buscando construir uma agenda, desde a primeira reunião com os governadores, que crie um círculo virtuoso no país de retomada de crescimento e dos empregos. Para isso, é importante ajudar os estados. Prioridade zero é renegociação das dívidas.

    Qual a saída para os estados que não terão benefício tão grande na renegociação das dívidas?
    Nesses casos, é fundamental o governo retomar as operações de crédito. Há várias operações de crédito na Secretaria do Tesouro Nacional. Isso é fundamental para as unidades da federação retomarem sua capacidade de investimento.

    Mas essas operações estão travadas.
    Sim. Está travado. O governo passado travou. Primeiro, foi o Joaquim Levy. Depois, Nelson Barbosa acenou com a liberação, mas não houve, em razão das circunstâncias políticas. Isso é fundamental para muitos estados. Agora, para outros estados, e aí eu coloco o Distrito Federal, o recebimento de recursos que a União deve é fundamental. A compensação previdenciária é fundamental.

    O senhor aqui em Brasília teve um primeiro semestre do ano passado muito complicado do ponto de vista financeiro. Tivemos greve de professores, médicos, policiais  e atraso no pagamento de servidores. O DF corre o mesmo risco agora?
    A crise financeira é grave no Brasil inteiro. Fizemos o nosso dever de casa no ano passado. Nós reduzimos de 37 para 18 o número de secretarias, reduzimos 5 mil cargos comissionados, reduzimos R$ 1 bilhão o custeio da máquina pública. Não temos mais margem para corte.

    Mas então, nessa disputa, serviços essenciais prestados pelo Estado serão comprometidos. 
    O cenário é de instabilidade e de incertezas. A gente não sabe como vai se comportar a arrecadação nos próximos meses. Vamos ter um fim de ano muito difícil. Vamos precisar de suplementação orçamentária, na Saúde, por exemplo. Nós precisamos de ajuda do governo federal também. Todos os estados devem ter uma pauta comum e uma diferenciada.

    "Não temos mais margem para corte. O cenário é de instabilidade e de incertezas. Vamos ter um fim de ano muito difícil”



    Fonte: João Valadares – Foto: Claudio Reis/Esp.D.A.Press - Correio Braziliense 


    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.