• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 16 de setembro de 2016

    Escassez de água ameaça a capital dos brasileiros

    Foi somente a partir da mudança da capital para o interior do Brasil, nos anos 1960, que o imenso bioma de campo cerrado, com mais de 2 milhões de km² passou a ser explorado e pesquisado com mais atenção. Especialistas já sabem hoje que essa ecoregião, com idade média de 45 milhões de anos, reúne e concentra a maior biodiversidade de todo o planeta.

    Recentemente, com o aprofundamento das pesquisas, ficou patente, para os estudiosos do assunto, que a preservação dessa área é de vital importância para o presente e o futuro do Brasil, principalmente por conta da questão hídrica. Hoje já se sabe que o Cerrado é, por suas características ímpares, o berço das águas, concentrando nascentes que vão alimentar oito das 12 grandes regiões hidrográficas brasileiras. É nesta região que estão concentrados os aquíferos Guarani, Urucuia e Bambuí que alimentam alguns dos grandes rios do país. Além disso, nos subterrâneo do cerrado pulsa um oceano.

    Com a expansão das fronteiras agrícolas, o Cerrado ganhou um protagonismo econômico inédito que, num primeiro momento, pareceu,e ainda parece para alguns, ser a redenção para toda a região. A introdução de monoculturas, na maioria transgênicas, plantadas em vastíssimos latifúndios nas planícies, totalmente mecanizados, se por um lado vem fazendo a riqueza e a prosperidade de uma minoria de grandes produtores, de outro lado, vem arruinando irreversivelmente todo o ecossistema, comprometendo de forma até criminosa a produção natural de águas. Interessante que os próprios produtores fecham os olhos ao matar o futuro dos netos e bisnetos.

    Em tempos de aquecimento global generalizado, a cada ano que passa a situação de crise hídrica nas cidades localizadas dentro da região do cerrado se agrava um pouco mais. O desaparecimento de pequenos e médios cursos de água já se tornou fato comum. A vegetação sofre com as queimadas criminosas e com a derrubada, feita pelos agricultores, com uso de correntes. Com a degradação da flora, somem os animais da região e tem início o lento e irreversível processo de desertificação, já em curso, segundo os especialistas.

    Na esteira da devastação, acentuada nos últimos anos, pela invasão de terras e áreas de proteção, não é de se estranhar que o GDF, à semelhança de outras unidades Federação, tenha decretado agora o estado de “atenção”, ameaçando pôr em prática um rigoroso racionamento de água.

    A rigor, a suspensão no fornecimento de água para algumas regiões da capital já vem acontecendo há algum tempo e tem se agravado nas últimas semanas. A conta com a irresponsabilidade política de distribuição farta e de ocupação irregular de terras em troca de votos começa a chegar, e os valores serão altíssimos, inclusive, com a ameaça de inviabilizar a própria capital dos brasileiros.

    Caos
    Racionamento de água e luz no DF acontece porque a Caesb e a CEB sempre chegam em terras invadidas prontas para oferecer o serviço e cobrar. Se o governo proíbe a invasão, seria coerente que não fornecesse água e luz. Sem planejamento, o que acontece é o que vamos ver nos próximos dez anos nessa cidade.



    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.