• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 27 de setembro de 2016

    #MOBILIDADE » Motos e bikes se destacam - Os participantes do evento cumpriram trajeto de até 14km entre o Guará e o Museu Nacional da República.., Saiba mais ..,

    Os participantes do evento cumpriram trajeto de até 14km entre o Guará e o Museu Nacional da República

    As duas opções de transporte registraram melhores resultados entre as 12 que disputaram o 8º Desafio Intermodal. Ambas se sobressaíram pelo menor tempo e por menos emissão de poluentes

    Com o trânsito de Brasília cada vez mais complicado em horários de pico, os brasilienses buscam alternativas para chegar aos destinos desejados. A ONG Rodas da Paz calculou ontem, no 8º Desafio Intermodal, o tempo, o custo e a emissão de poluentes em 12 modalidades: bicicleta, tandem (bike para duas pessoas), mountain bike, corrida, carona, metrô, moto, metrô mais bicicleta, carro, ônibus, Uber e táxi. No total, 26 voluntários e oito de apoio traçaram o percurso, com saída às 7h43 da QE 7 do Guará e chegada no Museu Nacional da República. O trajeto tinha de 12km a 14km, a depender da opção. A motocicleta completou a prova em primeiro lugar, com 16 minutos e 22 segundos, mas, devido aos critérios avaliados, a bicicleta teve melhor desempenho, com 8,3 de média (veja quadro).

    “Não é uma competição entre participantes, é uma avaliação entre os diferentes modais”, adverte, logo no início, o voluntário do Rodas da Paz Régis Oliveira. O secretário de Mobilidade, Fábio Damasceno, participou do desafio de ônibus. Para ele, foi uma oportunidade para dialogar com a população. “É a primeira vez que o governo participa, e isso nos ajudará a construir políticas públicas no DF. A ideia é avaliar todos os modos de transporte”, afirma. Além dele, o secretário adjunto de Mobilidade, Dênis Soares, e o diretor-geral do Transporte Urbano do DF (DFTrans), Léo Cruz, estiveram no evento.

    O Correio também acompanhou a iniciativa de coletivo e teve um tempo de espera na parada de cerca de 15 minutos. Em uma segunda-feira atípica, o ônibus da linha 162.2 estava vazio, e o trajeto se cumpriu sem maiores congestionamentos. A assistente de projetos Ana Paula Queiroz, 41 anos, pega o transporte público todos os dias. “Eu prefiro esse horário, pois pelo menos consigo ir sentada. Falta melhorar a quantidade das linhas. Quando vou para a UnB, se eu perco o das 6h30, tenho de pegar dois ônibus e ainda chego atrasada. É preciso verificar o número de usuários porque está difícil”, relata.

    A viagem durou 56 minutos e 40 segundos, o penúltimo modal a chegar ao ponto de encontro, apenas dois minutos à frente dos corredores. Entre eles, estava o militar Márcio Chapola. “A gente teve de correr na terra, na grama e, em alguns pontos mais complicados, havia trânsito intenso, com dificuldade de atravessar. Valeu a pena. A nossa meta era chegar antes do ônibus, mas não deu certo, não”, afirma.

    Após o desafio, o secretário de Mobilidade enxergou algumas necessidades do DF. “Mais BRTs, mais faixas para os ônibus, ter melhoria de pavimento na W3. Também é preciso informar melhor o usuário e usar mais tecnologia no transporte coletivo”, revela. As faixas exclusivas também ganharam observação do diretor-geral do DFTrans. “Nós percebemos que, quando os ônibus utilizam as faixas exclusivas, a velocidade operacional é maior. Isso, com certeza, é algo que beneficia a viagem. Vamos trabalhar em cima disso”, ressalta Léo Cruz.

    O voluntário da Rodas da Paz Régis Oliveira avalia que medir anualmente qual o modal mais eficiente faz com que ocorra uma evolução de cada transporte. “O evento é importante para chamar a atenção para a possibilidade de utilização de diversas maneiras de locomoção. E que a gente consiga ficar não tão dependente do transporte individual motorizado”, adverte. A iniciativa ocorre em várias cidades do Brasil, sempre perto do Dia Mundial Sem Carro, e se propõe a avaliar a eficiência de diversos meios de transporte.

    Resultados - Confira o tempo por ordem de chegada

    » Motocicleta 
        16 minutos e 22 segundos

    » Bicicleta 
        24 minutos 8 segundos

    » Mountain bike 
        23 minutos e 44 segundos

    » Carro 
        24 minutos e 43 segundos

    » Tandem 
        25 minutos e 44 segundos

    » Uber 
        29 minutos e 14 segundos

    » Carona 
        39 minutos e 11 segundos

    » Táxi 
        40 minutos e 9 segundos

    » Metrô 
        41 minutos e 43 segundos

    » Metrô mais bicicleta 
        43 minutos e 53 segundos

    » Ônibus 
        56 minutos e 40 segundos

    » Corrida 
        58 minutos e 43 segundos

    Média final - Modal Nota final Tempo médio Custos *Emissão de poluentes*

    *Bicicleta 8,3 24:08 9 10
    *Tandem 8,1 25:44 9 10
    *Mountain bike 7,2 29:26 9 10
    *Corrida 6,8 58:43 11,5 12
    *Carona 6,3 39:11 11,5 5
    *Metrô 5 41:43 6,5 7,5
    *Motocicleta 4,7 21:03 4 1
    *Metrô mais bicicleta 4,3 43:53 5 7,5
    *Carro 4,2 27:49 3 3
    *Ônibus 4 56:40 6,5 6
    *Uber 3,6 29:14 2 3
    *Táxi 2,5 40:09 1 3

    * Índice de cálculo não revelado pela organização



    Fonte: Julia campos – Especial para o Correio Braziliense – Foto: André Violatti-Esp-CB/D.A.Press 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.