• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 4 de setembro de 2016

    Representação política no DF é caso de polícia

    “Toda a nação tem o governo que merece”, a frase, dita pelo filósofo francês De Maistre, traz, simultaneamente, uma verdade e uma falácia de iguais teor e efeito. A declaração foi feita durante os episódios da Revolução Francesa no século 18, e repetida ainda hoje mundo afora, inclusive no Brasil. Ninguém contesta o fato de que os políticos eleitos para representar a população são escolhidos, em suma, porque se identificam e se parecem com quem os indicou.

    A possibilidade de alguém votar num candidato totalmente diferente daquilo que é e acredita é quase remota. Escolhemos nossos representantes com base no que somos e no que queremos para o país. Nossos candidatos são, portanto, esculpidos à nossa imagem e semelhança. Nesse sentido, explicar a existência de tantos políticos com tão baixa qualidade moral para o exercício da representação popular significa apontar o dedo acusatório também para a baixa qualidade dos eleitores.

    Na verdade, a frase de De Maistre ficaria mais atualizada se fosse reescrita desta maneira: “Todo eleitor tem o candidato que merece”. No caso de Brasília, submetida à imposição e ao arranjo artificial de ter representantes eleitos para os poderes Legislativo e Executivo, local e nacional, igualou a capital às demais unidades da Federação em todos os quesitos, inclusive, quanto à baixa qualidade de políticos eleitos.

    Com um modelo desses, confeccionado sob medida para eleger os maiores aldrabões da redondeza, não surpreende o fato de a polícia, volta e meia, aparecer no encalço dos espertalhões, munida de mandado de busca e apreensão, prendendo e levando para depor autoridades que, por sua significância, deveriam ser exemplos de retidão.

    Já foi dito aqui que, no plano nacional, não foi a direita que enxotou o governo petista do Planalto, foi a ação da polícia, a mando do Ministério Público, que fez a casa cair. O resto veio abaixo por inércia própria. Também em Brasília, que copiou o triste modelo, mais uma vez a polícia armada de autorização judicial cercou a Câmara Legislativa e, agora, o Palácio do Buriti, em busca de mais provas para dar continuidade à Operação Drácon. O objetivo é investigar a origem do dinheiro que o PM aposentado João Dias jogou sobre o então deputado Paulo Tadeu, hoje conselheiro no TCDF. Em ambos os casos, fica patente, mais uma vez, que a representação política no Distrito Federal é caso de polícia. Com a palavra, os eleitores responsáveis pelas indicações desastrosas.


    ***

    A frase que não foi pronunciada
    “A minha consciência tem mais peso pra mim do que a opinião do mundo inteiro.”
    (Marco Túlio Cícero)



    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.