• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 13 de novembro de 2016

    #URBANISMO » Parquinho polêmico

    A obra particular fica onde deveria haver apenas um bosque - Morador decide construir área de lazer em frente ao bloco onde mora, na 316 Sul. Quadra já tem outros dois parques infantis, que precisam de reforma

    A construção de um parquinho infantil na 316 Sul provocou polêmica entre os moradores da quadra. A obra prossegue sem a licença da Administração Regional do Plano Piloto em meio à área verde da quadra, onde deveria haver só um bosque. As estruturas, suspeitas de divergirem da concepção dos demais parques da região administrativa, estão em uma área tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E a superquadra já tem dois parques para o lazer das crianças.

    O primeiro projeto para o novo parque de diversões chegou à administração regional em junho. O parecer técnico da pasta foi o seguinte: “Entendemos que a instalação de equipamentos e mobiliário urbano deverá ser motivada por abaixo-assinado das edificações envolvidas e da prefeitura comunitária”. A proposta definitiva, enviada ao órgão em outubro, apresentou o aval de cerca de 40 moradores, com nomes e endereços descritos, segundo a administração. Síndicos dos blocos da superquadra, porém, afirmam que nunca foram contatados. O Correio não teve acesso ao documento. A prefeitura comunitária, que também deveria deliberar sobre o assunto, está desativada. O Conselho Comunitário da Asa Sul não tinha conhecimento da proposta até o início das obras.

    A obra particular é financiada por Tiago Cedraz, filho do presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Aroldo Cedraz.  Ela custará R$ 19 mil e apresenta apenas Cedraz como responsável pela construção e manutenção do espaço. A superquadra tem 11 blocos e mais de 300 moradores. A administração regional concedeu, em novembro, a licença para a execução do projeto. A autorização designa a instalação do parquinho infantil em frente ao Bloco D da 316. Iniciou-se a construção, entretanto, na área frontal ao Bloco C, onde Tiago Cedraz mora. A obra está localizada, ainda, em área verde, composta por árvores frutíferas. 

    “Invasão” 
    Moradores não escondem a indignação. “Particularizar espaços de lazer para cada bloco fere o tombamento de Brasília, porque desagrega o espaço de integração comunitária”, afirmou a subsíndica do Bloco E, Dioney Magalhães. “Configura-se como invasão de uma área pública, porque não houve um consenso sobre o tema. Percebemos que o pleito é apenas do requerente, ao observar que ele custeará tudo. Por que não nos juntamos e canalizamos os subsídios para revitalizar os pontos de convivência que estão em péssimo estado, em vez de construir uma estrutura quase particular?”, acrescentou a síndica do Bloco I, Regina Guimarães.

    O Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) emitiu uma recomendação. O documento destinado à Administração Regional da cidade e assinado pela promotora Marilda dos Reis Fontinele determina que, “por apresentar concepção divergente dos demais parques das superquadras, além de situar-se em um conjunto urbanístico tombado, as obras sejam paralisadas até que a Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística se manifeste sobre o mérito da intervenção”.

    Administrador do Plano Piloto, Marcos Pacco acatou as especificações do documento e garantiu que não haverá continuidade da construção do parque infantil em frente ao Bloco C. “Conversaremos com todos os moradores e, juntos, decidiremos sobre a mudança da obra para o local autorizado: a área frontal do Bloco D. Emiti a licença para a intervenção porque o parque seria móvel, com brinquedos de plástico, o que não fere o tombamento das superquadras”, alegou. O Correio procurou a assessoria de comunicação de Tiago Cedraz, na quinta e na sexta-feira. Até a noite de ontem, não houve retorno.


    Por Ana Viriato – Foto:Luis Nova/Especia para o Correio Braziliense

    2 comentários:

    1. Sou moradora da quadra. Realmente os parquinhos existentes estão em pessimas condições. Não houve consulta aos moradores.
      Sou contra esta construção - e ninguém sabe se será ou não aberta à comunidade

      ResponderExcluir

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.