• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

    Escolas Parque: ampliação e excelência da educação

    Escola-Parque SQS 308 Sul

    Por Júlio Gregório Filho, 

    Na visão inovadora de Anísio Teixeira, a escola passa a fazer também, em um patamar complementar, as vezes da casa e da família dos estudantes. Com este ideal, o educador pioneiro entendeu que as crianças necessitam de atendimento que extrapole a mera instrução. Nesse sentido, a Secretaria de Educação do Distrito Federal vai ampliar em 75% o número de crianças a serem atendidas em tempo integral no coração de Brasília, que é para onde grande parte dos pais do DF se deslocam para trabalhar o dia todo. E o que é melhor, com a excelência do projeto preconizado por meio das Escolas Parque, originalmente criadas com o objetivo de complementar o ensino oferecido nas Escolas Classe, mas que, com o passar dos anos, tiveram o funcionamento desvirtuado.

    Atualmente, todos os alunos das 36 Escolas Classe da Regional do Plano Piloto/Cruzeiro são conduzidos uma única vez por semana às cinco Escolas Parque existentes, em uma condição que não permite o desenvolvimento pleno das habilidades que a frequência diária propicia aos estudantes. Para 2017, o Governo de Brasília promove uma mudança ousada que resgata o projeto original de Anísio Teixeira, elevando de seis para 17 escolas que atenderão os estudantes durante 10 horas diárias em cinco dias da semana. A partir dessa proposta, será possível que as crianças possam ter, no contraturno, uma iniciação artística, esportiva, cultural e social que integra todos os segmentos da sociedade. O objetivo do novo sistema – que não é novo diante do fato de que atende à primazia da origem – é ampliar e qualificar o atendimento, sem prejudicar aqueles estudantes que não utilizam o modelo integral, mas que terão, no turno que frequentavam a Escola Parque, as mesmas atividades desenvolvidas na própria Escola Classe.

    A opção tomada neste momento em relação ao Plano Piloto – a partir de consulta aos próprios diretores das 36 unidades escolares afetadas – busca contemplar sobretudo as famílias que necessitam de escola em tempo integral para os seus filhos, sendo elas, em sua maioria, trabalhadores que se deslocam para esta região central e necessitam permanecer com eles o dia todo por perto. De cerca de 1,6 mil crianças, passaremos a atender quase 2,9 mil — um quantitativo que representa grande avanço na oferta a um público que necessita efetivamente do serviço.

    A Secretaria consegue, assim, sobretudo, atender o anseio de muitos pais em situação de maior vulnerabilidade econômica que buscam escolas em regime integral. Entendemos que o ideal seria que houvessem Escolas Parque para todas as Escolas Classe do DF, como era o desejo de Anísio Teixeira: quatro escolas classe no entorno de uma escola parque para os estudantes frequentarem ambas em um sistema alternado de turnos e terem acesso a uma educação que vai além dos conteúdos clássicos científicos da leitura, da escrita e das ciências exatas. O ensino eficaz ultrapassa os limites do ler, escrever e fazer contas. Nesse sentido, é compreensível a preocupação da comunidade escolar em preservar esse bem, que, em nenhum momento, corre o risco de ser perdido neste retorno à sua base.

    É importante salientar que a Escola Parque tem uma finalidade que necessita ser retomada. As atividades lúdicas oferecidas na Escola Parque têm objetivos que devem ser cumpridos. Elas existem para disponibilizar aos estudantes “brincadeiras” orientadas que fazem elo entre o conhecimento, a socialização e o desenvolvimento psicomotor que, em sala de aula, não é possível alcançar e que também não se constrói em um único dia da semana. De 200 horas anuais, passaremos a oferecer as atividades nas Escolas Parque para 1.000 horas por ano, o que, na prática, representa um aprofundamento pedagógico com maior rendimento. Prova disso é que as unidades escolares que já ofertam atendimento integral destacaram-se nos exames externos e atingiram em 2016 metas para o Ideb estabelecidas para 2021.

    O Governo de Brasília entende e valoriza o fato de que todos os cidadãos devem ser ouvidos, acolhidos e respeitados em seus anseios, mas é preciso sensibilidade e bom senso para entender que o Estado tem o dever de priorizar o atendimento da necessidade do maior número de pessoas da comunidade. E é com esta visão que mantém a decisão de trazer o conceito da Escola Parque à sua origem.




    (*) Júlio Gregório Filho - Secretário de Educação do Distrito Federal – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.