• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

    História: Um abrigo para a Missão Cruls - ( Brasília não nasceu de um sonho ou do mero desejo de Juscelino Kubitschek. A Constituição Federal de 1891, a primeira do país, determinou a demarcação do território onde seria construída a futura capital. Para tirá-la do papel, 60 anos antes de JK iniciar a construção da cidade, um grupo de cientistas brasileiros e europeus desbravou o Planalto Central para registrar tudo o que havia na região e traçar o quadrilátero em que seria erguida uma metrópole planejada.)

    Vindos do Rio de Janeiro, especialistas de várias áreas ergueram acampamento em Santa Luzia

    Então denominada Santa Luzia, a cidade de Luziânia serviu de base ao grupo de pesquisadores que fez a primeira demarcação do território onde seria construída Brasília

    Brasília não nasceu de um sonho ou do mero desejo de Juscelino Kubitschek. A Constituição Federal de 1891, a primeira do país, determinou a demarcação do território onde seria construída a futura capital. Para tirá-la do papel, 60 anos antes de JK iniciar a construção da cidade, um grupo de cientistas brasileiros e europeus desbravou o Planalto Central para registrar tudo o que havia na região e traçar o quadrilátero em que seria erguida uma metrópole planejada. Nessa missão, realizada na última década do século 19, vindos do Rio de Janeiro, eles montaram acampamentos na hoje região do Entorno do Distrito Federal. À época, havia só quatro cidades: Pirenópolis, Corumbá, Formosa e Luziânia. Então chamada Santa Luzia, esta última, que completou 270 anos ontem, voltaria a ter papel fundamental na concretização da maior obra da era JK.

    Pesquisadores, geólogos, geógrafos, botânicos, naturalistas, engenheiros e médicos, entre outros,  integravam a equipe da missão chefiada pelo astrônomo e geógrafo belga Louis Ferdinand Cruls incumbida de explorar o Planalto Central. De 1892 a 1894, eles fizeram estudos científicos até então inéditos no Centro-Oeste, mapeando aspectos climáticos e topográficos, além de estudar a fauna, a flora, os cursos de rios e modo de vida dos habitantes. Realizado sobre lombo de burro, contando apenas com o vasto conhecimento dos expedicionários e equipamentos rústicos, o trabalho resultou em um precioso documento. Chamado de Relatório Cruls, ele contém mapas, descrições da fauna, da flora e das riquezas minerais da região, além de fotografias.

    A turma responsável pelos arredores de Santa Luzia destacou as riquezas naturais dos lugares por onde passaram. Em especial, a grande quantidade água—atualmente cada vez mais escassa, com a ocupação desordenada do solo. “Encontramos grande número de cursos d’água em qualquer dos trajectos, sendo os maiores o São Bartholomeu e o São Marcos, entre Palmital e Santa Luzia, e em seguida o Rio Descoberto, formado pela confluencia, proximo do Chico Costa, dos rios Maria do O´, das Pedras e Tajobá”, descreveu, em grafia da época, Henrique Morize, chefe da turma responsável por demarcar e explorar o vértice Sudeste do quadrilátero.
    Barracas da Missão Cruls em 1892: destaque para a riqueza dos recursos naturais da região

    O Rio Descoberto é o mesmo que atualmente abastece 70% dos imóveis do DF e enfrenta uma grave crise. Seu reservatório entrou na casa dos 20% há um mês e não mais saiu dela, levando as autoridades da capital a anunciarem a possibilidade de racionamento. Já Chico Costa é o nome do dono de uma das fazendas usadas pela Missão Cruls como referência, em Santa Luzia. Os pesquisadores também demonstraram surpresa com a qualidade das terras e a saúde das pessoas da região. “A zona entre Santa Luzia e Chico Costa pareceu-me fértil: é de aspecto agradável e abundantemente irrigada. Apesar de estarmos na estação chuvosa, não encontramos nos moradores nenhum caso de febre”, ressaltou Morize, em seu relatório.

    Malária

    Mas nem sempre foi assim. No fim do século 18, Santa Luzia sofreu uma epidemia de malária que provocou uma fuga em massa. Boa parte dos moradores dos lugarejos migrou para o então Arraial dos Couros (veja Memória), que viria se tornar o município de Formosa. Naquele período, o povoado era ponto de passagem de tropeiros e comerciantes. Eles acampavam em barracas de couro para vender seus produtos. Daí veio o nome de Arraial dos Couros, mas não há consenso entre pesquisadores sobre essa origem. Alguns apontam que os moradores vendiam peles de animais selvagens.

    Pouco antes da passagem da Missão Cruls, a escravidão movia a economia de boa parte do Brasil. Na segunda metade do século 19, Goiás vivia o ciclo de ouro. Ainda chamada Santa Luzia, mas já uma cidade, Luziânia era sede do julgado — o juiz municipal —, ao qual estavam vinculados dois arraiais: o dos Couros e o do Angico, na atual região de Brazlândia. O Arraial dos Couros era constituído por 148 habitantes, 50 imóveis e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Mercês e Abadia. Havia ainda 39 fazendas de gado e seis engenhos.

    Grande parte do produzido no Arraial dos Couros era vendido a moradores de Santa Luzia, conforme descrito por Henrique Morize: “Quasi todo o commercio é feito com a cidade de Santa Luzia, onde elles vão à busca do sal e por onde vêm do Sul os boiadeiros fazer aqcquisição de gado. Parte d’ahli para Santa Luzia uma bôa estrada de rodagem com o conveniente desenvolvimento, pela qual sobem a serra os carros de bois, que são o principal meio de transporte do sal.” Com a construção de Brasília, Formosa e Luziânia passaram a ser ligadas por uma estrada asfaltada, atualmente duplicada, em boas condições. Mas uma já não depende da outra economicamente.

    Líder de expedições
    Antes da missão ao futuro Distrito Federal, o astrônomo e geógrafo belga dirigiu o Observatório Astronômico do Rio de Janeiro. Ele liderou outras expedições científicas importantes dos séculos 19 e 20, como a observação da passagem de Vênus pelo disco solar em 1882 e a conferência internacional que definiu o meridiano de Greenwich como referência para todas as nações. Nascido em Diest em 1848, Cruls morreu em Paris, em 21 de junho de 1908.

    Sucessor de Cruls
    O astrônomo e fotógrafo Morize nasceu em 31 de dezembro de 1860, em Beaune, na França, e mudou-se para o Rio aos 5 anos. Naturalizou-se brasileiro em 1884. O trabalho dele no país não se resume ao registro da Missão Cruls. Por problemas de saúde, só completou o curso de engenharia industrial em 1890. Um ano depois, tornou-se astrônomo do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro. Em 1908, assumiu a direção do órgão, sucedendo o amigo belga Louis Cruls. Morreu em 19 de março de 1930, no Brasil.


    Para saber mais - Mudança pensada desde o século 18
    No século 18, o governo português já cogitava a possibilidade de transferir a capital do Brasil para o interior — medida defendida em outros momentos históricos. Ainda no Império, o patriarca da Independência, José Bonifácio, defendia a transferência da capital para a mineira Paracatu. Na República, o artigo 3º da Constituição Federal de 1891 determinou a demarcação do território para construção da futura capital do Brasil. Em 1892, o então presidente Floriano Peixoto instituiu a Comissão Exploradora do Planalto Central, por meio da Portaria 114-A. De 1892 a 1894, pesquisadores fizeram estudos científicos até então inéditos no Centro-Oeste, mapeando aspectos climáticos e topográficos, além de estudar a fauna, a flora, os cursos de rios e o modo de vida dos habitantes. O chefe do grupo, Louis Cruls, voltou à região no segundo semestre de 1894 para concluir alguns estudos e definir a região exata de Brasília dentro dos 14,4 mil km2 demarcados pela comissão.


    Memória - Índios e bandeirantes
    Há quase 300 anos, os bandeirantes passaram pela primeira vez por onde hoje é Formosa, a 70 km do Plano Piloto. Depararam-se com uma comunidade indígena do povo Crixá. O encontro entre portugueses e nativos está descrito na expedição de Anhanguera, em 1722. No documento, porém, há relatos da presença de estrume de vaca naquelas terras, o que indicaria a passagem do homem branco, trazendo gado. A comprovação oficial dos primeiros não índios no local, por meio de papéis guardados em Portugal, data de 1739. Eles estabeleceram fazendas de criação de gado, atividade que ainda move a região. Somente em 1843, Formosa foi elevada à categoria de vila e passou a se chamar Vila Formosa da Imperatriz. Em 1877, virou município.



    Por Renato Alves – Fotos: Charles Morize/Missão Cruls – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.