• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

    Cerca de 2 mil veículos do DF estão emplacados com código de rastreamento

    Desde 1º de janeiro, 2 mil novas placas de veículos já circulam por Brasília com o QR code — código de barras que pode ser escaneado por meio de aplicativos. Foto: Andre Borges/Agência Brasília

    Com informações do automóvel e do proprietário, QR code precisa ser colocado em todas as placas novas, conforme instrução do Detran-DF válida desde o início deste ano

    Desde 1º de janeiro, 2 mil novas placas de veículos já circulam por Brasília com o QR code — código de barras que pode ser escaneado por meio de aplicativos. A novidade é uma exigência da Instrução nº 1.190, de 8 de dezembro de 2016, do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF).

    Uelson Praseres, diretor de Controle de Condutores e Veículos da autarquia, explica que o código carrega informações sobre o histórico do veículo e do proprietário, facilita a fiscalização e diminui a burocracia em investigações de casos de clonagem.

    “É colocada a data de fabricação, o número do estoque e o código do fabricante. Quando o fiscalizador vê o código, usa o aplicativo do Detran e já sabe se ele deveria estar naquele veículo”, detalha o diretor. Segundo ele, o departamento recebeu de oito a 12 pedidos de análise de automóveis clonados por mês em 2016.
    Aplicativos leitores de QR code usados gratuitamente em celulares podem rastrear alguns dados do código, mas algumas informações sobre o dono do veículo — se ele está habilitado para dirigir, por exemplo — só podem ser acessadas pelos equipamentos do Detran.
    É possível até identificar o QR code em fotografias de pardais de trânsito. O aplicativo consegue reconhecer o código na foto capturada e dar o histórico do automóvel penalizado. Com isso, além de aplicar a multa, o órgão fiscalizador pode descobrir se um carro em alta velocidade é clonado.
    Que veículos recebem o QR code
    Quem compra um veículo novo recebe a placa com o QR code por meio do processo normal, sem burocracia. O código também é colocado em automóveis que vêm de outra unidade da Federação e precisam trocar de placa. Além disso, receberão QR code os veículos levados às unidades do Detran para receber serviços relacionados a emplacamento e os que precisarem de atualização das placas para o sistema atual com películas refletivas.
    90% - Porcentual da frota brasiliense que estará com o código nas placas em até cinco anos, segundo estimativa do Detran-DF

    Com essas mudanças, a previsão é que 90% da frota brasiliense esteja com o código nas placas em até cinco anos. Praseres deixa claro que, se a placa estiver visível e no sistema atual com película refletiva, o proprietário não é obrigado a fazer qualquer alteração.
    Quando o cidadão requisita uma placa no Detran, pode escolher uma das 17 empresas fabricantes credenciadas. Se o contrato com uma das empresas terminar, ela é removida do sistema, o que a impede de produzir mais placas com o código nos arquivos do departamento.
    A alteração na fabricação das placas não tem custo nem para as empresas fabricantes nem para o Detran. “Só é preciso fazer uma pequena mudança na impressão do material”, justificou o diretor.
    Quem portar emplacamento que não respeite as normas do Código de Trânsito Brasileiro e for fabricante ou distribuidor de placas não autorizadas responde com multa de R$ 130,16, quatro pontos na carteira e retenção do veículo.

    Galeria de Fotos: (  goo.gl/8mMvLk  )






    Marina Mercante – Agência Brasília

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.