• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

    Lula, o lobo solitário

    A morte, ontem, da ex-primeira dama Marisa Letícia representa dor incomensurável para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mesmo sabendo que, agora, ele está viúvo pela segunda vez, foi Marisa quem acompanhou toda a trajetória política do maior nome da história do PT. Os dois se casaram em 1974, um ano antes de Lula se tornar presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo. Ele foi eleito em 1975 e, quatro anos depois, despontou como liderança nacional ao comandar a greve da categoria em pleno regime militar.

    Em 1980, Lula, ao lado de alguns sindicalistas, militantes de esquerda e intelectuais, funda o PT e inicia a trajetória que o levará, 22 anos depois, ao Palácio do Planalto. Oito anos de gestão, acompanhados de perto por Marisa. Não foram poucas as críticas, aqui ou acolá, pela primeira-dama estar presente em todos os eventos — ou quase todos — do marido. Até mesmo na videoconferência com os jogadores da seleção brasileira, preparando-se para a Copa de 2006, lá estava ela ao lado do marido presidente, de bolsinha a tiracolo.

    Agora, Marisa se foi. E Lula? Misturar a morte com política é algo cruel, mas inevitável. Dona Marisa, como era conhecida, ainda era uma das poucas vozes que resistia à pressão da militância petista para que Lula fosse candidato ao Planalto em 2018. Lula levava muito em conta essa posição, pois sabia que uma candidatura dele tornaria a família ainda mais exposta às investigações da Operação Lava-Jato.

    Lula sabia do risco dessa exposição. Ele sempre disse que temia a prisão dos familiares, nem tanto a dele próprio. Agora perde as amarras de vez. O PT vai lançá-lo candidato ao Planalto no Congresso do partido, marcado para junho. Aliados e adversários apostam que, neste momento, o petista pode ganhar uma sobrevida em relação às investigações. Mas não por muito tempo.

    Lula pode aparecer na delação da Odebrecht. Livrou-se do processo do tríplex, mas ainda pesa sobre ele o sítio de Atibaia. Não se sabe o que pode vir das delações de Eike Batista, embora Lula sempre tenha desconfiado do empresário falastrão. Os dois se aproximaram mais via Sérgio Cabral, quando o Rio de Janeiro conquistou o direito de sediar os Jogos Olímpicos em 2016.

    São muitas balas viradas para o mesmo alvo. Algo deve acertar Lula. Se ele não for preso, ou condenado em segunda instância, será candidato ano que vem. Deve passar do primeiro turno, pela gordura da militância petista. Mas dificilmente se elege, pois não tem mais o respaldo da bandeira ética e da esperança de mudança que o elegeu em 2002. O presidente que encerrou o mandato com 87% de popularidade pode perder a eleição para um ilustre Zé Ninguém. Mas, agora, depois de ontem, o que Lula tem a perder?


    Por Paulo de Tarso Lyra – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.