• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • domingo, 5 de fevereiro de 2017

    Por liberdade nos pilotis - "Brincando debaixo do bloco"

    “Querida Maria Elisa,

    Hoje, 30 de janeiro, a manchete do Caderno Cidades do jornal Correio Braziliense foi: Por liberdade nos pilotis.

    Houve manifestações por todos os cantos, contra os condomínios, que impedem o direito de circulação nos pilotis dos blocos de apartamentos.

    Em vários blocos de Brasília, os síndicos não permitem mais as brincadeiras das crianças naquelas áreas. Não acredito que essa insanidade esteja no genial projeto de Lúcio Costa.

    Quero que minha neta, Maria Antônia, hoje com dois meses, possa crescer de forma saudável e feliz, brincando debaixo do bloco, assim como aconteceu com minha filha.

    Gostaria de ouvir a sua opinião a respeito. Com amor, Cosete” (Cosete Ramos Gebrim)

    “Querida Cosete,

    Você está coberta de razão!!! O conceito da Superquadra criada por meu pai não tem nada a ver com condomínios fechados! A quadra tem entrada única para carros — ou seja, não é lugar de travessia, só entra na quadra quem vai para a quadra — e pilotis abertos para a circulação livre de pedestres.

    Esteja certa de que meu pai ficaria extremamente feliz ao constatar que, hoje, são os próprios moradores que defendem a Superquadra como ele inventou.

    Um abraço afetuoso e solidário, Maria Elisa Costa.

    PS: Cosete, Lembrei-me de mais uma coisa: ‘Brincar debaixo do bloco’ é uma expressão que só quem conhece Brasília sabe o que significa. O conceito é tão forte que gerou linguagem própria.”

    Aí está. Diante da carta da moradora Cosete e da resposta da filha do idealizador de Brasília, o urbanista Lúcio Costa, que juntou à sua as pranchetas de Oscar Niemeyer e Burle Marx, todos prontos para realizar e concretizar o sonho de JK, vemos que hoje, quase 57 anos depois, começa um inexplicável processo de desobediência e descaracterização do plano urbanístico da cidade.

    Sempre cantado em prosa e verso pelo mundo a fora, desde 1960, o traçado de Brasília e as normas inéditas de ocupação e distribuição de moradia, comércio, indústria, hospitais, escolas, escritórios, sempre organizadas e setorizadas de acordo com suas reais funções, causavam admiração.  E foram motivo de estudos e até mesmo espanto em quem tomava conhecimento da revolucionária e arrojada forma de se planejar uma cidade: casas no lugar de casas, apartamentos no lugar de apartamentos, lojas no lugar de lojas, escritórios e bancos no lugar de escritórios e bancos.

    Tudo de forma ordeira, bem planejada, estudada e executada, possibilitando vivermos aqui e criarmos nossos filhos nessa forma saudável e segura até então.

    Agora que não mais conseguem administrar os avanços nefastos de um crescimento desordenado, infelizmente, querem engaiolar as crianças entre grades, tirar delas a oportunidade de tomar o ar ainda puro e o frescor de estar “debaixo do bloco”, se sociabilizando com seus amiguinhos, deixando-as, como alternativa, em frente da tevê.

    O que está acontecendo com esta cidade, que parece estar virada de cabeça para baixo? Ainda mais agora que surge a triste notícia de que querem também destruir a destinação urbanística dos lagos Sul e Norte como zonas estritamente residenciais, possibilitando a destinação para lojas, clínicas, escritórios, pequenas fábricas, cursos, além de encher os canteiros centrais tão arborizados, verdadeiros pomares, com postos de gasolina?

    Será que perdemos o freio e o bom senso? Uma cidade que deveria ser copiada pelas outras, com seu traçado revolucionário e moderno, procura agora copiar as outras, com seus defeitos e mazelas. No que querem transformar a nossa Brasília?

    Acho que os livros de JK, de Adirson Vasconcelos e de tantos outros autores que descreveram tão bem Brasília precisam ser lidos e estudados por pessoas que, infelizmente, descartam o fator qualidade de vida, preservação ambiental e de mananciais, lençol freático, reservas hídricas e florestais.

    Uma pena!






    Por Jane Godoy – Coluna 360 Graus – Foto: Antonio Cunha/CB/D.A.Press – Correio Braziliense 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.