• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

    SUSTO NO AEROPORTO » Avião atinge carcará na decolagem

    Imagem mostra o percurso feito pela aeronave após atingir o pássaro e retornar ao terminal aéreo de Brasília

    Por Luiz Calcagno,

    Uma aeronave da Latam Airlines que seguia ontem de Brasília para São Paulo teve de retornar ao Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek após atingir um carcará. O incidente aconteceu com o Voo JJ3101, que decolou por volta das 8h10 em direção a Congonhas, em São Paulo. Às 8h32, pousou novamente no terminal brasiliense. Ninguém se feriu, mas alguns passageiros se assustaram quando o piloto disse que precisaria retornar à capital. De acordo com a nota divulgada pela assessoria de Comunicação da empresa aérea, a colisão com a ave ocorreu nas proximidades do aeroporto. O avião foi trocado para passar por uma vistoria, e os passageiros seguiram viagem em outro voo, às 9h54. “A companhia reitera que a segurança é um valor imprescindível e, sobretudo, todas as suas decisões visam garantir uma operação segura”, informou.

    Na visão do tenente-coronel Henrique Rubens Balta de Oliveira, assessor de Risco de Fauna do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), o procedimento adotado pelo piloto foi correto. Ele destacou que a colisão com aves é o incidente mais repetitivo da aviação mundial, mas “grande parte das colisões não termina em acidentes”. “O piloto bateu no carcará quando estava no que chamamos de velocidade de rotação. Já tinha passado da velocidade de decisão. Se ele tentasse parar, poderia sair da pista, causar algum acidente. Ele percebeu que a ave atingiu o motor por conta da vibração. Preferiu decolar e retornar, pois não poderia arriscar perder um motor no meio do caminho para Congonhas. Além disso, a pista aqui é maior”, detalhou.

    A Latam reforçou que o choque não representou riscos. Acrescentou que atualiza as estatísticas de colisões com pássaros nos terminais em que atua e “emite boletins com orientações específicas aos comandantes antes de cada decolagem”. A finalidade é orientar o piloto sobre as incidências em cada localidade e mantê-lo alerta para aglomerados de aves, interrompendo a decolagem caso necessário. Técnicos da companhia também enviam ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) vestígios de animais colhidos em aeronaves.

    Em 2016, a Latam registrou cerca de 240 ocorrências de colisões com pássaros. Segundo a empresa, a quantidade representa menos de um caso a cada mil decolagens. “Todo tráfego aéreo está sujeito a ocorrências de colisão com aves”, resumiu, concluindo que as aeronaves modernas têm tecnologia para prever ao menos parte dos impactos e a capacidade de resistir à maioria dos incidentes.

    Em 2015, mais de três aeronaves colidiram com aves nos céus da capital federal. Os dados são do Anuário de Risco de Fauna do Cenipa. No total, foram 42 registros. O órgão contabilizou outras cinco quase-colisões no DF, em que a tripulação precisou desviar para não bater no animal, além de, pelo menos, 20 avistamentos próximos.

    Espécies
    As decolagens e os pousos concentram o total de impactos. Foram, respectivamente, 508 e 666 há dois anos. O aeroporto campeão em colisões no país é o Salgado Filho, em Porto Alegre. Segundo o levantamento do Cenipa, houve 145 ocorrências em 2015. O maior número de avistamentos fica com São Paulo, com um total de 240 situações. As espécies de aves mais atingidas por aeronaves são quero-quero, carcará e urubu-de-cabeça-preta.




    (*) Luiz Calcagno – Correio Beaziliense 

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.