• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 9 de março de 2017

    Brasília, criada para ser exemplo


    *Por Circe Cunha,

    Ainda nos anos 1960, Brasília deu mostras para todo o Brasil e para o mundo de sua capacidade empreendedora e criativa de nossos profissionais. A construção de uma capital, no espaço de apenas um governo, com todas as dificuldades e limitações da época, foi acompanhada com admiração e até mesmo com um certo grau de ceticismo por muita gente. Eram outros tempos e naquela ocasião, era possível sentir, no próprio ar, um clima contagiante de forte otimismo e crença de que o país finalmente tinha entrado nos trilhos do desenvolvimento com democracia. Tudo parecia ser plenamente realizável, bastando, para isso, vontade e força.

    Em 1964, a fase de otimismo cedeu lugar ao pragmatismo cartesiano castrista e Brasília ficou como que suspensa no ar por longos anos, como uma ilha cercada por um imenso continente adormecido. No plano ideal, Brasília seria disposta conforme concebeu seu idealizador. Lucio Costa, o inventor da capital, era um homem muito adiante de seu tempo. Quando pensou em Brasília, não quis criar uma cidade apenas no seu aspecto urbanístico.

    Para ser uma cidade realmente revolucionária, dentro dos preceitos humanistas que professava, a futura capital deveria inovar não só no seu aspecto de espacial, mas, sobretudo, no seu ambiente social. Neste sentido, a cidade nova iria acolher e ser a casa do homem novo, fraterno, cordial e magnânimo. Para Lucio Costa, seu projeto para Brasília ia além de uma proposta de cidade. Era um projeto de nação, desbravador e feito nos moldes da tradição colonial. “Brasília, dizia ele, não é um gesto gratuito de vaidade pessoal ou política à moda da Renascença”… Testemunha a maturidade intelectual do povo que a concebeu, povo então empenhado na construção de um novo Brasil, voltado para o futuro e já senhor do seu destino.”

    No clima de euforia daqueles anos, resultado, em parte, do fim da 2ª Grande Guerra, da industrialização crescente e do processo de urbanização do Brasil, a cidade que brotava do lápis de LC seria uma “cidade planejada para o trabalho ordenado e eficiente, mas, ao mesmo tempo, cidade viva e aprazível, própria ao devaneio e à especulação intelectual, capaz de se tornar, com o tempo, além de centro de governo e administração, num foco de cultura dos mais lúcidos e sensíveis do país”.

    Talvez o maior exemplo da perseverança e ânimo que marcou aquela fase e que poderá servir de modelo para estes tempos de incertezas nos quais vivemos agora, seja o fato de, como diz seu inventor, “tudo aquilo, apesar da maquinaria empregada, foi feito com as mãos — infraestrutura, gramados, vias, viadutos, edificações, tudo à mão. Mãos brancas, mãos pardas: mãos dessa massa sofrida — mas não ressentida que é o baldrame desta nação”.

    ****
    A frase que não foi pronunciada
    “O que fazer com o direito de votar quando não há candidatos que nos representem?
    (Murilo Silva, 15 anos, pensando nas próximas eleições.)


    (*) Por Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.