• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 16 de março de 2017

    Investigações da Lava-Jato embaralham eleições - As joias da Drácon

    Investigações da Lava-Jato embaralham eleições
    A Lava-Jato pode alterar o jogo político no Distrito Federal. Além dos ex-governadores Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR), o ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB) e o ex-deputado Geraldo Magela (PT) também foram incluídos nos pedidos de investigação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base em depoimentos de executivos da Odebrecht. Estão ainda na lista o ex-senador Gim Argello e o deputado Robério Negreiros (PSDB), como a coluna revelou ontem. Em questão, as obras do Centro Administrativo do DF e o projeto Jardim Mangueiral. A abertura de investigação não significa condenação, mas representa um desgaste, principalmente para quem tem disposição de concorrer ao governo ou ao Senado. Nas petições enviadas aos estados e ao DF, Janot incluiu os trechos que mencionam os políticos e as gravações dos depoimentos. 

    No caminho de 2018
    A deputada Liliane Roriz (PTB) participou ontem, ao lado de Tadeu Filippelli (PMDB), do evento no Palácio do Planalto, para assinatura do acordo para liberação de recursos destinados à captação de água no Lago Paranoá. Ela está afinada com o ex-vice-governador e pode representar o sobrenome Roriz na provável candidatura de Filippelli ao Palácio do Buriti, com as bençãos do presidente Michel Temer. Se a Lava-Jato permitir…

    Justiça do DF nega liberação de gravações
    Relator da denúncia da Operação Drácon, o desembargador José Divino, do Tribunal de Justiça do DF, negou por ora a liberação das gravações feitas com escuta ambiental nos gabinetes dos deputados Celina Leão (PPS), Júlio César (PRB) e Cristiano Araújo (PSD). O pedido foi feito pelo presidente da Câmara Legislativa, Joe Valle (PDT), na semana passada. “Os áudios de captação ambiental se encontram na Polícia Civil para degravação, daí porque ainda não se tratam de elemento incorporado nos autos”, justificou o magistrado.

    As joias da Drácon

    Não chega a ser uma coleção como a da advogada Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral. Mas policiais civis e promotores da Operação Drácon apreenderam muitas joias nas buscas realizadas nas casas dos deputados distritais sob investigação. São mais de 30 anéis, 67 brincos, 26 colares, vários pendentes, dois piercings, sete alianças, três escapulários e três medalhas. As peças passaram por avaliação da Caixa Econômica Federal e, segundo laudo, valem, no total, R$ 113,3 mil. Entre as preciosidades, há anéis de diamantes e um colar com fio de pérolas barrocas. As peças estão divididas em 13 caixas. O porta-joias mais precioso foi avaliado em R$ 59.720, com sete alianças, 23 anéis, 32 brincos, 16 colares e uma pulseira de ouro. Nada comparado com as compras de Adriana Ancelmo na joalheria Antônio Bernardo, ou o anel de ouro branco e brilhantes de R$ 880 mil que o empresário Fernando Cavendish, dono da Delta Construções, presenteou a ex-primeira-dama nos tempos áureos. 


    Por Ana Maria Campos – Coluna “Eixo Capital” – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.