• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 15 de março de 2017

    #SAÚDE » Base a caminho da autonomia

    Pela proposta do Executivo, seria criado um instituto para gerir o Hospital de Base: proposta nas mãos dos distritais

    Governo apresenta projeto para mudar modelo de gestão do maior hospital do DF, mas pode enfrentar resistência para aprovar a medida na Câmara Legislativa devido a pressões dos sindicatos. Ministério Público é favorável à medida

    *Por Cristine Gentil - Thiago Soares, 

    Depois de tentativas frustradas de implantar um novo modelo de gestão para o sistema público de saúde por meio de organizações sociais, o governo local apresentou à Câmara Legislativa outro projeto, desta vez restrito ao Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). Considerada estratégica e entregue pessoalmente aos deputados pelo governador Rodrigo Rollemberg na manhã de ontem, a proposta autoriza o Executivo a criar o Instituto Hospital de Base do DF (IHBDF), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, que passaria a administrar a maior unidade da rede com muito mais autonomia. Apesar de ter sido discutido anteriormente com diversas entidades e com distritais, de acordo com o governo, é possível que o projeto encontre resistência para ser aprovado, sobretudo devido à pressão dos sindicatos, que se manifestaram imediatamente contra a ideia por entenderem que é uma forma de “desvalorizar o serviço público”.

    Para o governo, a medida garantirá agilidade nos processos de compra de medicamentos e equipamentos, de manutenção e de contratação de novos servidores. “Esse é um modelo 100% público, em que não há gestão de entidades da iniciativa privada. Ela é feita pelo poder público, num modelo que dá agilidade aos processos de compras e burocratização dos equipamentos. A mudança dará autonomia e agilidade ao Base e se inspira, no ponto de vista administrativo, na gestão do Sarah. Estamos dando um passo importante para que o principal hospital de Brasília tenha melhores condições de trabalho e uma melhoria na prestação de serviços”, destacou o chefe do Executivo.

    Se aprovado o projeto, o hospital permanece público e mantido pelo governo, com um orçamento anual de R$ 550 milhões. O instituto será gerido pelo Conselho de Administração, formado por nove integrantes e presidido pelo secretário de Saúde. A composição dos membros incluirá representantes da sociedade civil, como, por exemplo, do Conselho Regional de Medicina e, provavelmente, da rede de voluntários que presta assistência a pacientes do HBDF e a seus familiares. Eles não serão remunerados. Caberá ao conselho criar um estatuto e eleger os diretores. Nenhum integrante pode ser político nem ter vínculo partidário. À diretoria cabe elaborar um regimento interno. O Tribunal de Contas do DF (TCDF) será responsável pela fiscalização do contrato.

    Distritais
    Líder do governo na CLDF, o distrital Rodrigo Delmasso (Podemos) defende que o projeto é uma excelente alternativa não somente para o Hospital de Base como para outras unidades hospitalares do DF. “Ele desburocratiza a gestão do hospital, mas não tira o controle e a fiscalização do poder público. Isso pode dar mais agilidade nos procedimentos. A compra de medicamentos não pode ser tratada da mesma forma que é feita a compra de um saco de cimento. A Lei de Licitações trata essas duas compras da mesma maneira. É preciso tratar a urgência com urgência”, pontua.

    Apesar de ter regras de compras e de contratação de servidores não atreladas às leis federais, a Rede Sarah obedece a critérios rígidos previstos em lei específica e auditados por órgãos de controle federais, inclusive com concurso para selecionar servidores. A Secretaria de Saúde informou que vai seguir critérios semelhantes. Mas há preocupação de integrantes da Câmara. O presidente da Comissão de Educação, Saúde e Cultura da CLDF, Wasny de Roure (PT), salientou que é importante analisar e discutir o projeto com cautela. “Assim como o GDF trabalhou em sua elaboração, o projeto também deve ser debatido nesta Casa, seguindo o seu regimento. Esse é um cenário que pode trazer turbulências com um processo de terceirização. Sabemos que algo tem que ser mudado na saúde, porém, isso significa uma mudança de gestão expressiva.” Segundo o distrital, a possibilidade de contratação de funcionários e compras sem processos pode angariar outros problemas no hospital. “Temos que trabalhar o projeto para tentar contornar a crise na saúde, que é severa, mas não apenas com críticas, também com soluções, considerando os desvios que o modelo pode trazer à administração pública”, pontua.

    O Ministério Público do DF e dos Territórios (MPDFT), que antes discordava com o Executivo sobre a implantação das Organizações Sociais (OSs) no sistema de saúde local, avalia como positiva a possibilidade de criar o instituto para gerir o Hospital de Base. “A proposta anterior expunha a gestão a invenções políticas que seguem uma lógica eleitoreira. A saúde é muito sensível para ficar desprotegida a essa situação. Essa proposta atende à necessidade de descentralização da saúde. Hoje, em toda a rede, são 35 mil servidores. A pasta conta com grande absenteísmo e tem incapacidade de compras e manutenção de equipamentos. Para se ter ideia, hoje, o diretor do HBDF não consegue comprar um esparadrapo. Não tem essa autonomia. O projeto do GDF dá essa possibilidade de compras e contratações — uma descentralização necessária para o funcionamento do hospital”, defende Jairo Bisol, promotor de Justiça de Defesa da Saúde. 

    Servidores
    Pelo projeto, os servidores que estão atualmente lotados no Hospital de Base poderão escolher se querem permanecer ou se desejam ser transferidos para outra unidade. Aqueles que decidirem pela transferência ficam impedidos de voltar e serão liberados à medida que a substituição seja possível. Os que optarem por ficar no Hospital de Base serão cedidos ao instituto e estarão sujeitos ao novo regime de gestão de pessoas. Apesar disso, manterão “os direitos previstos nos regimes jurídico e de previdência, no seu cargo e carreira de origem”, descreve o projeto. 

    O governo acredita que não haverá aumento de despesas, pois o modelo trará maior eficácia na gestão dos recursos. Atualmente, 82% do orçamento do HBDF são gastos com 3.400 servidores. O instituto poderá também, a princípio, receber receita de entidades privadas, mediante doação ou financiamento.

    O presidente do Sindicato dos Médicos (Sindmédicos-DF), Guthemberg Fialho, criticou o projeto. “O governo está criando um instituto com todas as características de Organização Social, um meio para implantar o mesmo mecanismo. O Base continua numa situação ruim. A Secretaria de Saúde não tem dinheiro para resolver os problemas pontuais, também não teria para financiar um instituto”, pontua. Fialho acredita que o projeto precariza a condição do servidor público. “O servidor perde a estabilidade, não há mais vínculo empregatício e podem ocorrer demissões sem justificativa”, considera.

    O secretário de Saúde, Humberto Fonseca, descarta essa possibilidade. “Todas as prerrogativas dos servidores concursados estão mantidas”, garante. E os novos funcionários, segundo ele, também seriam contratados mediante uma seleção pública, de acordo com a lei específica.

    A Associação Médica de Brasília (AMBr) defende uma maior discussão do assunto com a sociedade civil. “O HBDF vive uma dificuldade enorme. O modelo hospitalar do DF está quebrado, mas, na nossa visão, a maneira como está sendo proposto esse novo modelo é errada. Não foi feita uma consulta para o segmento médico nem para a população sobre o assunto. Isso é fundamental para amadurecer as ideias. Não se pode simplesmente desconstruir um hospital e deixar para trás toda a sua história. Acreditamos que a proposta desqualifica o serviço público progressivamente”, defende o presidente Luciano Carvalho. Segundo ele, os médicos e os profissionais da saúde de Brasília precisam se mobilizar para discutir a proposta na audiência pública que a CLDF fará para analisar o projeto de lei.

    RadiografiaR$ 550 milhões - Orçamento anual do Hospital de Base do DF - 3,4 mil Número de servidores existentes hoje no HBDF - 82% Dos gastos totais da unidade são em folha de pessoal





    (*) » Cristine Gentil - Thiago Soares - Foto: Minervino Junior – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.