• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 31 de março de 2017

    #TRÂNSITO » Faixa de pedestre: 20 anos de vidas salvas

    O Departamento de Estradas de Rodagem (DER), em parceria com professores da UnB, fez ações educativas ontem e na terça-feira no Câmpus Darcy Ribeiro, na Asa Norte

     *Por Isa Stacciarini  » Adrina Bernardes 

    Apesar da redução no total de mortes na travessia de ruas do DF, a distração, o excesso de velocidade e o uso de celular contribuem para aumentar a vulnerabilidade. Estimativa mostra que, em duas décadas, o equipamento salvou 875 pessoas

    A faixa de pedestre completa duas décadas amanhã. São 20 anos marcados pelo espaço de proteção a quem anda a pé. E o resultado são vidas poupadas. Desde 1º de abril de 1997, a população de Brasília começou a escrever uma história inédita de respeito aos mais frágeis no trânsito. Mudou o próprio comportamento, construiu uma cultura de respeito e inspirou outras cidades. No período, pelo menos 875 vidas foram salvas pela faixa. O número considera só a proporção de pedestres mortos sobre o total de vítimas do trânsito. Um ano antes de a lei vigorar, os pedestres eram 43,6% das vítimas — esse percentual caiu para 33,7%. 

    Mas, ao longo do tempo, a capital federal assiste, com certa apreensão, à oscilação dos números e ao comportamento agressivo e imprudente de quem insiste em desrespeitar o espaço destinado à travessia segura. O resultado da má conduta aparece nas estatísticas. Apesar de a análise a longo prazo revelar a redução considerável de pedestres mortos no trânsito, 2016 terminou com o aumento do número de casos comparados com o resultado de 2015. Foram 132 vítimas mortas, contra 112 no ano anterior (leia quadro). O número de óbitos durante a travessia na faixa também piorou. No ano passado, seis pessoas morreram atropeladas sobre o equipamento de segurança, contra quatro em 2015.

    Entre as possíveis causas das tragédias estão condutores que descumprem a lei, pedestres que atravessam sem sinalizar, frequente uso de celular, distração ao volante e excesso de velocidade. O casal Ana Beatriz Rodrigues, 22 anos, e Alan Canuto, 28, vivencia diariamente a experiência de recorrer às faixas em Brasília. “Às vezes, ficamos parados bastante tempo na faixa, fazendo o sinal de vida, e tem muita gente que não para, principalmente nas satélites. No Plano Piloto, os condutores ainda param. No Pistão, em Taguatinga, a gente fica muito tempo tentando passar, mesmo com a sinalização e com o pé na faixa. Depende do local”, acredita o analista de geoprocessamento.

    Alan mora em Águas Claras, e Ana Beatriz, em Taguatinga. Apesar de enfrentarem desafios na hora da travessia, eles comparam as dificuldades às de quando viajaram para a Paraíba. “Brasília ainda é referência e contribui bastante para a cultura. Em João Pessoa, os motoristas buzinavam para a gente sair da faixa”, conta a estudante de pedagogia da Universidade de Brasília (UnB).

    Na avaliação do doutor em estudos em transporte do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UnB Paulo César Marques, a faixa é uma conquista histórica, que, para se perpetuar, necessita de investimento em campanhas educativas constantes. “Temos nas ruas uma geração que não viveu a campanha Paz no Trânsito. Aos poucos, os valores vão se perdendo. E, nos últimos anos, não tivemos campanhas que consolidassem esse comportamento de respeito ao pedestre na faixa. Há 20 anos, o meu filho tinha 1. Hoje, é motorista. Em outras cidades, ele vê que a faixa não é respeitada. Isso pode contaminar essa geração ou quem chega a Brasília após o processo de conscientização”, cita.

    Conscientização
    Ontem e na terça-feira, o Câmpus Darcy Ribeiro da UnB, na Asa Norte, recebeu ações educativas para a consciência do uso e do respeito à faixa. A iniciativa, encabeçada pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), com a participação de professores da instituição, chamou a atenção de quem passava pelo local. Uma faixa andante também acompanhava os passos de pedestres. Jhene Costa, 24 anos, estudante de arquitetura de uma universidade particular da Asa Sul incorporou a personagem fantasiada para alertar sobre a importância da lei. “Aqui é a única unidade federativa em que, realmente, se cumpre a lei. Precisamos continuar chamando a atenção para essa necessidade. Condutores não podem só parar na faixa quando veem a polícia ou porque é bonito”, alerta.

    Professora de engenharia civil e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Transportes da UnB, Michelle Andrade avalia que a faixa de pedestre no DF é referência nacional em relação ao respeito. No entanto, na visão dela, a valorização não é mais a mesma. “Um desses elementos é o uso do celular, que coloca em risco caminhar. Nem sempre se associa esse perigo ao pedestre, mas, em muitas ocasiões, ele está digitando e não dá a devida atenção na hora de atravessar. É fundamental estabelecer contato visual com o motorista para ter certeza de que ele vai parar”, destaca.

    Segundo ela, campanhas educativas frequentes e o sucesso na fiscalização são fundamentais para o cumprimento da lei. “O respeito à faixa em Brasília é um ganho diferencial da cidade e, efetivamente, precisa ser comemorado para conscientizar a comunidade local”, ressalta.

    O gerente de Campanha Educacional do DER no DF, Paulo Victor de Araújo, reforça que o desrespeito está relacionado à imprudência, à falta de cordialidade e de atenção, à distração ao volante e à alta velocidade. “Apesar disso, o respeito está maior. Podemos constatar isso com os raros casos de acidentes nas faixas se comparado ao que acontecia antes. Ela se tornou sinal de vida”, analisa.

    "É fundamental estabelecer contato visual com o motorista para ter certeza de que ele vai parar" Michelle Andrade, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Transportes da UnB
         Três perguntas para: Silvain Fonseca, diretor-geral do Detran
    Nas últimas duas décadas, é inegável saldo positivo do respeito à faixa de pedestres. Mas ainda morre gente no espaço destinado à travessia de quem anda a pé. Quais são os projetos do Detran para a faixa?
    Estamos modernizando as campanhas e programando ações educativas para o ano todo. A primeira peça publicitária, com foco no respeito à faixa, será veiculada até a segunda quinzena de abril. Vamos alertar motoristas e pedestres sobre os riscos e a conduta segura. A faixa de pedestre é, para o governador, uma política de Estado. Dia e noite, circulamos a cidade para renovar a pintura daquelas que estão apagadas. Também fazemos um estudo sobre as causas dos acidentes nas faixas. Nesses casos, voltamos a colocar o agente de trânsito no local, como no princípio da Paz no Trânsito. A viatura fica na frente e para o motorista que não parou. Além da multa, é orientado a respeitar a faixa. Isso acontece no Gama, Riacho Fundo e em Planaltina.

    O estudo dos acidentes na faixa apontaram alguma falha?
    Em alguns deles, houve aumento do número de casos onde as barreiras eletrônicas foram desligadas ou onde não há barreira eletrônica. Estamos instalando esses equipamentos em locais que antecedem a faixa, em pontos estratégicos, de modo que elas obriguem o motorista a reduzir a velocidade antes da travessia de pedestre. Das 124, 40 estão funcionando. As demais estão em fase de aferição.

    O levantamento mostra que a W3 Norte é a via urbana campeã de atropelamentos fatais. Por quê? 
    Os casos são mais recorrentes da 508 Norte à 515 Norte. O que percebemos nesse local é que os pedestres atravessam fora da faixa e, muitas vezes, distraídos. Em um dos casos, o rapaz entrou correndo na via, falando ao celular, mesmo com o semáforo verde para os carros. No centro de Ceilândia, estudamos canalizar a passagem do pedestre, como fizemos também no centro de Taguatinga.


    (*) Isa Stacciarini  » Adrina Bernardes  – Fotos: Bruno Peres/CB/D.A.Press – Blog – Google – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.