• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 8 de abril de 2017

    #CAMPEONATOCARIOCA » Você não sabe o quanto eu caminhei - (Jean, volante do Vasco)

    “Vou jogar pela terceira vez contra o Flamengo, e no Maracanã pela primeira vez. Não é um sonho que foi gerado ontem, é desde os cinco anos de idade”
    (Jean, volante do Vasco)

    Conheça a história do brasiliense Jean. Revelado na escolinha do pai, em Taguatinga, o volante de 22 anos atuou até na base do Estudiantes antes de ser titular do Vasco hoje no Clássico dos Milhões

    Por: Marcos Paulo Lima

    Taguatinga Norte, Gama, La Plata, União da Vitória, Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro... A música Estrada, do Cidade Negra, poderia ser uma trilha sonora do quanto o brasiliense Jean Carlos de Souza Irmer caminhou pra chegar até o Maracanã, palco do Clássico dos Milhões de hoje, às 18h30, pela semifinal da Taça Rio. Nascido e revelado na escolinha do pai, seu Gilson Irmer — zagueiro tetracampeão candango por Taguatinga e Guará —, Jean foi além do seu velho: é titular do Vasco. Aos 22 anos, forma com Douglas um promissor par de volantes.

    Em entrevista ao Correio, Jean lembrou o início da carreira em Taguatinga Norte. Era aluno da Escolinha Bola de Ouro. Com o passar do tempo, a academia foi mudando de nome. Houve uma parceria com o Cruzeiro. Hoje, curiosamente, o espaço que alçou Jean ao Vasco é uma franquia do Flamengo. “Comecei a jogar bola com cinco anos na escolinha do meu pai (seu Gilson Irmer). Desde pequeno, eu sempre conversava com ele, nas idas e vindas da escolinha, que o meu sonho era jogar clássicos grandes no país”, conta o homem de confiança do técnico Milton Mendes.

    Em 2012, Jean desembarcou em União da Vitória (PR) para uma experiência no Iguaçu Agex. Em um feriadão de Páscoa, os meninos foram liberados para um recesso. Sem grana para viajar, Jean ficou treinando sozinho e conquistou seu treinador — o volante Alemão, titular do Brasil nas Copas de 1986 e de 1990. Na sequência, Jean embarcou para a Argentina. Passou pelas divisões de base do tradicional Estudiantes de La Plata. A primeira chance como profissional pintou em 2014, no Paraná Clube. De lá para o Corinthians, clube com o qual tem contrato até 2020 e o emprestou ao cru-maltino.

    Gama
    Jean está no Vasco. Mas teve um pé no Gama. Nas divisões de base, fez parte da geração 1994 do alviverde candango. Eu passava com o meu pai e com a minha mãe debaixo de chuva, debaixo de sol, para ir treinar. Ficaram várias lições, principalmente pegar ônibus. Eu chegava da escola e quando era 12h30, 12h45, eu pegava ônibus para treinar lá no Gama. Futebol exige muito de uma pessoa, mas vale a pena”, recorda o jogador. Além do pai, Jean teve um outro professor em Taguatinga Norte. Seus Carlos Alberto, o Beto, conta com carinho o quanto investiu no moleque. “Eu e o Gilsão cuidamos da formação dele de criança até ele ir embora para o Paraná Clube”, orgulha-se.

    Gilson Irmer e Carlos Alberto moram em cidades diferentes. O primeiro, em Curitiba. O segundo, em Taguatinga Norte. Mas, hoje, ambos poderão testemunhar pela tevê a realização de um sonho do pupilo. “Meu sonho era jogar clássicos grandes no país. Eu não esperava que fosse tão rápido assim. Com 22 anos, sou titular do Vasco. Vou jogar pela terceira vez contra o Flamengo (a segunda foi aqui no Mané Garrincha), e no Maracanã pela primeira vez. Não é um sonho que foi gerado ontem, é desde os 5 anos de idade. Com muita luta e trabalho, eu chego pronto pra isso”, avisa o emocionado Jean.

    A gratidão tem nome. “Meu pai é fenomenal. Ele sempre foi o meu herói. É o cara a quem devo tudo no futebol. Dos cinco aos 15 anos, tudo o que eu sei foi ele quem ensinou. No pré-jogo, ele me liga. É o meu parceiro, meu confidente. Se tem uma coisa que ele me ensinou é nunca desistir. Independentemente do elogio ou da crítica, ele me ensinou a sempre buscar mais. O que eu fiz está bom. O que eu não fiz tenho que aperfeiçoar. Ele conquistou muitos títulos no futebol de Brasília. Eu quero também aqui fora”, projeta o cão de guarda do Vasco.


    (*) Marcos Paulo Lima – Foto: Paulo Fernandes – Vasco -Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.