• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 29 de junho de 2017

    PATRIMÔNIO » As icônicas cadeiras do Cine Brasília

    Croqui de Sérgio Rodrigues para poltrona do Cine Brasília com assinatura do autor - Entrevistas e croquis atestam que as poltronas da sala de exibição são mesmo de autoria de Sérgio Rodrigues

    *Por Severino Francisco

    Na semana passada, em debate nas redes sociais, a autoria das cadeiras do Cine Brasília, de Sérgio Rodrigues (1927-2014), foi questionada. Elas foram retiradas e substituídas por novas poltronas em reforma realizada durante o governo de Agnelo Queiroz, em 2014. Na ocasião, as cadeiras de Sérgio Rodrigues foram transferidas para o depósito do Teatro Nacional Claudio Santoro, que está interditado.

    Em duas entrevistas, uma concedida ao portal O Moveleiro e outra publicada no livro 50 anos de Arquitetura (Ed. Senac), o próprio Sérgio Rodrigues confirma ser o autor das modernistas cadeiras: “Colaborei, a convite, com outras obras de Oscar: poltronas para o Cine Brasília, poltronas especiais para os três auditórios do Teatro de Brasília, estudo para a residência do vice-presidente, entre outros”, disse Sérgio Rodrigues no Portal O Moveleiro.

    A informação é reiterada em entrevista concedida a Jean Bergerot, publicada no livro Arquitetura 50 anos (Ed. Senac): “Por volta de 1966, a convite do Oscar e do ministro, fiz variações da mesa, chamei-a de Itamaraty para os ministros, e fiz uma linha de móveis completa com poltronas, cadeiras e linha para recepção. Enfim, fiz todos os móveis do Ministério das Relações Exteriores e algumas peças, ao lado de outros arquitetos, para outros ambientes do palácio. Fiz também, a convite do Oscar, as poltronas das três plateias do Teatro Nacional e do Cine Brasília”.

    O Instituto Sérgio Rodrigues confirma que ele é autor das cadeiras do Cine Brasília. A instituição forneceu ao Correio os croquis das poltronas assinadas pelo próprio Sérgio Rodrigues. Renata Aragão, diretora-executiva do instituto, informa que planta de execução do projeto certifica a autoria do designer: “Não podemos divulgar porque é um segredo de construção. Mas, se for necessário, esse documento  comprova a autoria de Sérgio Rodrigues”.

    Segundo Renata, ainda não existe um estudo sistematizado sobre as obras de Rodrigues em Brasília. Mas é certo que ele fez obras para o Palácio do Planalto, para o Palácio do Itamaraty e para a Universidade de Brasília: “Com o Itamaraty, nós temos um acordo de cooperação e estamos encaminhando uma parceria com a UnB”, informa Renata.
    "Fiz também, a convite do Oscar, as poltronas das três plateias do Teatro Nacional e do Cine Brasília" Sérgio Rodrigues

    Comparação
    Em face da polêmica sobre as cadeiras do Cine Brasília, o secretário de Cultura, Guilherme Reis, requisitou uma cadeira depositada no Teatro Nacional e solicitou à equipe responsável pelo patrimônio um estudo técnico para avaliar a viabilidade de reforma ou mesmo de reposição das poltronas: “Eu tenho prioridades gigantes e equipe micro”, comenta Guilherme. “Não há comparação das cadeiras em termos de conforto. Vamos fazer uma avaliação para saber se é possível revestir as cadeiras de Sérgio Rodrigues com outros materiais para cumprir as normas de segurança em caso de incêndio. Eu tenho o desejo de resolver o problema. Mas a questão é técnica e financeira. Vamos avaliar todos os aspectos.”

    O arquiteto Luiz Philippe Torelly, que trabalhou sete anos no Iphan, lembra que o Cine Brasília só é tombado como patrimônio cultural pelo GDF. Estranhamente, o prédio não está relacionado na lista das obras de Oscar Niemeyer reconhecidas como patrimônio nacional: “Acho uma das obras mais emblemáticas de Brasília”, comenta Torelly. “Mas, independentemente de as cadeiras serem ou não de Sérgio Rodrigues, o mais importante é o valor que a comunidade atribui ao bem. A questão da monumentalidade ou do valor arquitetônico vem sendo cada vez mais substituída pela representatividade. É um patrimônio afetivo, isso precisa ser considerado”.


    (*) Severino Francisco – Jornalista, colunista do Correio Braziliense – Fotos: Instituto Sergio Rodrigues- Divulgação

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.