• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quarta-feira, 5 de julho de 2017

    Adeus ao poeta da Vila Planalto - (Joãozinho da Vila )

    Joãozinho da Vila era um animador cultural sempre pronto para a folia e para a poesia

    *Por Rachel Sabino

    “Onde havia folia, lá estava o João.” Assim define Erbene Costa, viúva do agitador cultural e poeta João Roberto Costa Júnior, o Joãozinho da Vila, falecido na última segunda-feira. De acordo com os familiares, o animador cultural sofreu um acidente de moto por volta das 18h, na altura da 402 Norte. Segundo relatos de parentes, era provável que Joãozinho estivesse voltando para casa.

    “O João era um folião desde que o conheci. Ele adorava produzir cultura, ajudar quem estava perto, e, principalmente, ensaiar com os Vilões”, relembra Erbene ao se referir ao bloco de carnaval de rua criado pelo marido.

    A Associação Recreativa Unidos do Cruzeiro (Aruc) se pronunciou diante da morte do poeta e sambista. “A diretoria da Aruc envia o abraço solidário da família cruzeirense aos familiares e amigos. Hoje o céu o receberá em festa. Descanse em paz!”, disse Moacyr Oliveira Filho, presidente da associação.

    Amigos e companheiros de carreira de João da Vila também se expressaram nas redes sociais. Renio Quintas postou uma homenagem ao amigo. “Nos resta desejar que seja recebido pelas boas energias do universo. Vá com Deus, João! Que te acompanhem em outra dimensão a sua alegria, irreverência e poesia”, declarou.


    Legado de alegria
    Nascido em Unaí (MG), Joãozinho mudou-se para Brasília no ano da inauguração da cidade, em 1960. Aos 16 anos, João da Vila colocou em palco sua primeira peça O último rango de Jota Pingo, a qual teve participação especial da banda Aborto Elétrico.

    Há seis carnavais, João da Vila criou o Bloco Vilões da Vila na cidade. Ao lado de Yuli Hostensky, os amigos decidiram presentear Brasília com um bloco de carnaval que levasse o lema: quem sobe o morro e não desce a ladeira, o melhor carnaval está nas ruelas da vila. O grupo ensaiava rotineiramente às manhãs de sábado debaixo de uma mangueira na Vila Planalto.

    Além da música, João Roberto era ativo na escrita. Começou a publicar seus livros a partir de 2005, quando se mudou para a Vila. O livro 50 anos de obra em apenas um volume, que reúne 50 poesias do autor, tornou o poeta uma figura constante em saraus nas escolas públicas do DF. Meu masculino é feminino, lançado em 2014, também é uma coletânea marcante do poeta.

    Poema Feminino
    Eu quero ser o feminino
    que nunca fui,
    eu quero ser o feminino
    que sempre existiu em mim,
    eu quero ser o feminino
    que penetrou o meu
    útero imaginário.
    (assim como feminino
    poeta Reynaldo Jardim),
    desejar ter outro feminino.
    Ficarei vulgarmente
    conhecido
    como
    sapatão.

    (JoãoZinho da Vila, do livro Meu masculino é feminino)




    (*) Rachel Sabino* - *Estagiária sob a supervisão  de Severino Francisco  - Fotos: Hélio Montferre/CB/D.A.Press - Oswaldo Garcia - Correio Braziliense



    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.